18:57 15 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)
    0 50
    Nos siga no

    O Brasil registrou 2.777 mortes pela COVID-19 nas últimas 24 horas, fazendo total de óbitos chegar a 303.462, segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quinta-feira (25). 

    A pasta contabilizou ainda 100.158 novos casos do coronavírus, um recorde desde o início da pandemia. Somente a França e os Estados Unidos tinham registrado mais de 100 mil casos em um único dia.

    Antes, a máxima era de 90.570, registrada na última sexta-feira (19). Ao todo, 12.320.169 de pessoas já foram infectadas. 

    O país vive momento de agravamento da pandemia, com alta de casos e mortes e colapso dos sistemas de saúde. Para ajudar a conter a disseminação do vírus, várias cidades e estados voltaram a implementar restrições à circulação mais rígidas. Em alguns municípios, há lockdown e toque de recolher. 

    Na quarta-feira (24), o Brasil ultrapassou a triste marca de 300 mil óbitos, dois meses depois de registrar mais de 200 mil óbitos. Para saltar de 100 mil vítimas a 200 mil, foram cinco meses, de agosto de 2020 a janeiro de 2021. 

    Número de vacinados

    Ao mesmo tempo, o ritmo da vacinação segue lento. Segundo levantamento de consórcio de imprensa, 14.074.577 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a COVID-19, o que representa 6,65% da população. 

    A segunda dose já foi aplicada em 4.515.631 pessoas (2,13% da população do país). No total, 18.590.208 doses foram aplicadas em todo o país.

    Tema:
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)

    Mais:

    Aparelho criado por cientistas russos aumentará eficácia de tratamento do câncer
    COVID-19: novas restrições da Argentina reforçam que Brasil virou ameaça, diz especialista
    Orçamento 2021 no Brasil: fatia maior para Defesa e menor para Saúde é 'injusta', critica economista
    Tags:
    mortes, Brasil, novo coronavírus, COVID-19, pandemia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar