09:24 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)
    0 41
    Nos siga no

    O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciou na manhã desta quarta-feira (24) o Programa Auxílio Carioca, que vai beneficiar 900 mil pessoas. Em seguida, ele falou sobre a polêmica envolvendo o desmonte dos hospitais de campanha.

    O Programa Auxílio Carioca, diz o prefeito, atenderá 14% da população. Serão atendidas 50 mil famílias cadastradas no Cartão Carioca, com R$ 240 por família; 643 mil alunos beneficiados com o Cartão Alimentação, com pagamento de R$ 108,50 por criança; e 13 mil ambulantes cadastrados serão contemplados com R$ 500.

    O programa contará com um aporte total de R$ 100 milhões, sendo R$ 70 milhões dos cofres do município, e outros R$ 30 milhões que estão sendo doados pela Câmara Municipal, escreve o jornal O Globo.

    O objetivo do prefeito é diminuir o impacto das medidas de restrições, que começam a valer nesta sexta-feira (26) pelos próximos dez dias.

    "São medidas de resposta à fome das pessoas, quando se faz restrições. É uma resposta à sociedade, a que não pode colocar um prato de comida na mesa. Essa é nossa prioridade" disse Eduardo Paes.

    O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, participa de coletiva ao lado de seu futuro secretário de Saúde, Daniel Soranz, em 30 de novembro de 2020
    O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, participa de coletiva ao lado de seu futuro secretário de Saúde, Daniel Soranz, em 30 de novembro de 2020

    Saúde em colapso

    O prefeito do Rio aproveitou o anúncio para falar sobre desmonte de hospitais de campanha, e também se defender das acusações do governo federal de que hospitais de campanha teriam sido desmontados levianamente.

    ​Ele acrescentou que as medidas restritivas que a cidade pretende adotar a partir de sexta-feira (26) têm como objetivo frear o avanço da pandemia e tentar evitar que o sistema público de saúde entre em colapso.

    "Na sexta-feira [19] , a fila da capital por espera de leitos de UTI tinha 40 pessoas. Dessas, só nove moravam na capital. A rede tem seus limites. O objetivo das restrições é dar uma segurada nas ondas".

    Eduardo Paes reiterou não ver necessidade de remontar o hospital de campanha, como o do Riocentro. 

    "Há uma série de questionamentos sobre a desmontagem dos hospitais de campanha aqui no Rio. Desde o início do meu governo, a gente abriu mais de 350 novos leitos. Foi isso que impediu que o Rio entrasse em colapso".

    Em seguida, Paes criticou os custos dos hospitais de campanha, dizendo que eram mais caros, mais demorados, e sem profissionais e insumos necessários. Ele enfatizou que esses hospitais estão, ainda, sob investigação.

    "A gente tem mais leito aberto para atender pacientes com a COVID-19 do que tinha no ano passado. Ao invés de gastar uma estrutura absurda, cara e pouco eficiente, é preciso colocar para funcionar aquilo que a gente já tem", concluiu.
    Tema:
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)

    Mais:

    Medidas contra COVID-19: Rio e Niterói fecharão escolas, bares e restaurantes por 10 dias
    Rio divulga calendário de vacinação para pessoas de 66 anos ou mais
    Eduardo Paes prevê início da vacinação contra COVID-19 ainda em janeiro
    Tags:
    hospitais, auxílio financeiro, auxílio estatal, auxílio, lockdown, Eduardo Paes, rio de janeiro, pandemia, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar