20:44 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)
    290
    Nos siga no

    O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta quarta-feira (24) que o instituto concluiu o envio dos documentos para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para testar em humanos o soro anti-COVID-19.

    A expectativa do instituto é de conseguir a liberação para os testes até sexta-feira (26). De acordo com Covas, que deu entrevista hoje (24) para a TV Globo, o Butantan tem três mil frascos prontos para iniciar os testes.

    "Nós já tivemos duas rodadas de exigências da Anvisa, ontem [23] à noite nós completamos essa segunda rodada. Então, neste momento, não temos nenhum documento pendente. E aguardamos a aprovação da Anvisa", afirmou Dimas Covas.

    Os estudos clínicos em humanos pretendem avaliar a segurança e a eficácia do possível medicamento, que tem como objetivo amenizar os sintomas da COVID-19 nas pessoas.

    O soro não consegue evitar nem curar a doença: o objetivo é evitar o desenvolvimento de sintomas graves da COVID-19. Nos estudos conduzidos pelo Butantan em animais, o pulmão foi protegido da doença.

    "O soro é uma vacina instantânea. É um concentrado de anticorpos, neste caso produzido em cavalos, que atua diretamente no vírus. Ele é para, logo que o indivíduo é infectado e começa apresentar sintomas, ser usado. Isso impede que a doença progrida", disse Covas.

    De acordo com o diretor do Butantan, o soro já está sendo produzindo em rotina no instituto e aguarda a liberação da Anvisa para entrar em linha de produção.

    Soro é produzido a partir do sangue de cavalos

    O soro desenvolvido pelo Instituto Butantan é produzido a partir do plasma de cavalo. Primeiro, o coronavírus inativo é injetado nos cavalos. Como está inativo, o vírus não provoca danos aos cavalos nem se multiplica no organismo dos animais – mas estimula a produção de anticorpos.

    Os técnicos, então, coletam sangue dos animais e separam o plasma (parte do sangue), para levar para a sede do Butantan. Os anticorpos produzidos pelos cavalos são separados do plasma e se transformam em um soro anti-COVID-19. 

    Tema:
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)

    Mais:

    Butantan indica agulha mais fina para não desperdiçar vacina, diz colunista
    Brasil nunca teve 'interferência política tão extrema' na saúde pública, afirma diretor do Butantan
    Butantan entrega 600 mil doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde
    Novo lote: Butantan recebe insumos para produção de 14 milhões de doses da vacina CoronaVac
    Tags:
    Instituto Butantan, COVID-19, pandemia, novo coronavírus, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar