20:51 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    148112
    Nos siga no

    A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), mudou seu voto no julgamento da segunda turma da corte sobre a suspeição do ex-juiz Sergio Moro no caso triplex do Guarujá.

    Com isso, o placar final na turma ficou em 3 a 2 pela suspeição de Moro e este caso que envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, julgado na 13ª Vara Federal em Curitiba, foi anulado.

    O julgamento desta terça-feira (23) foi referente a um habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente, que, neste caso, foi concedido pela corte.

    Em sua primeira análise, em 2018, Cármen Lúcia havia acompanhado o relator, o ministro Edson Fachin, entendendo que o ex-juiz havia sido imparcial nos casos do ex-presidente.

    Na ocasião, o ministro Gilmar Mendes, presidente da segunda turma do STF, pediu vista para analisar o caso, que ficou paralisado até o início deste mês, quando o julgamento foi retomado no dia 9 de março.

    Após os votos de Gilmar Mendes e de Ricardo Lewandowski para conceder o habeas corpus, ou seja, pela suspeição de Moro, houve nova paralisação do julgamento. Desta vez, quem pediu vista foi o ministro Nunes Marques, que alegou falta de conhecimento suficiente do caso para declarar seu voto.

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo.
    © AP Photo / Andre Penner
    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo.

    Por fim, nesta terça-feira (23), Nunes Marques, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), votou contra a concessão do habeas corpus.

    O placar teoricamente, naquele momento, já era de 3 a 2 pela imparcialidade de Sergio Moro nos julgamentos de Lula. Porém, com base em novas provas juntadas ao processo, a ministra Cármen Lúcia mudou sua análise e acompanhou o voto de Mendes e Lewandowski.

    "Tenho para mim que estamos julgando um habeas corpus de um paciente [Lula] que comprovou estar numa situação específica. Não acho que o procedimento se estenda a quem quer que seja, que a imparcialidade se estenda a quem quer que seja ou atinja outros procedimentos. Porque aqui estou tomando em consideração algo que foi comprovado pelo impetrante relativo a este paciente, nesta condição", disse a ministra.

    Mais:

    Qual o futuro de Sergio Moro? Juristas analisam desdobramentos da suspeição do ex-juiz
    Carta de Biden: efeito Lula pressiona, mas mudança de Bolsonaro não é 'factível', diz especialista
    Lula recorre de decisão que manteve seus bens bloqueados
    Tags:
    Luiz Inácio Lula da Silva, Cármen Lúcia, Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Kassio Nunes Marques, julgamento, Guarujá, Sergio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar