00:29 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)
    2200
    Nos siga no

    O médico infectologista Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, disse que observou relatórios sobre a Sputnik V e que a vacina era "bastante efetiva". 

    Recentemente, foi revelado que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla em inglês) pressionou o Brasil contra a compra do imunizante russo para a COVID-19. 

    A eficácia da Sputnik V é de mais de 90% e foi validada recentemente pela tradicional revista científica The Lancet. A vacina está sendo usada em mais de 50 países do mundo. 

    "Eu dei uma olhada em alguns relatórios. Parece muito bom", disse Fauci sobre o imunizante em entrevista para o programa de rádio de Hugh Hewitt.

    Além disso, o infectologista disse que a vacina CoronaVac, desenvolvida na China, também deveria ser "boa", mas ainda não tivera tempo para revisar seus dados e se sentir "confortável" para dar um parecer.

    Acordos no Brasil

    A Sputnik V foi desenvolvida pelo Instituto Gamaleya com financiamento do Fundo Russo de Investimentos Diretos. O governo do Brasil assinou acordo para compra de dez milhões de doses do imunizante. 

    O Consórcio Nordeste, por sua vez, firmou contrato para compra de 39,6 milhões de doses da Sputnik V, para serem destinadas ao Plano Nacional de Imunização do governo federal. 

    Além disso, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse que fechou contrato para compra de três milhões de doses da vacina russa, enquanto a prefeitura de Maricá, no Rio de Janeiro, vai adquirir 500 mil doses. O imunizante ainda não teve registro para uso emergencial concedido pela Anvisa.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)

    Mais:

    Rússia enviará pesquisadores à Itália para estudos de laboratório com a Sputnik V
    Agência Europeia de Medicamentos enviará missão à Rússia para inspecionar produção da Sputnik V
    Governo do México: Sputnik V é única vacina sem registro de efeitos adversos graves
    Tags:
    novo coronavírus, pandemia, COVID-19, Sputnik V, EUA, Brasil, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar