16:02 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)
    0153
    Nos siga no

    O governo brasileiro acionou seu corpo diplomático para tentar a compra urgente de insumos médicos para intubação que estão em falta no país devido ao pico da pandemia da COVID-19 no Brasil.

    Conforme publicou o jornal Folha de São Paulo, neste domingo (21), os diplomatas lotados em embaixadas e consulados no exterior foram notificados com o pedido para tentar o fornecimento dos insumos.

    Ainda segundo a publicação, a mensagem enviada pelo Itamaraty ao exterior afirma que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não obteve resposta sobre o assunto de outros órgãos sanitários mundo afora e pede que os diplomatas sondem a possibilidade de compra dos insumos.

    A expectativa de hospitais e associações médicas é de que o atual estoque de insumos necessários para intubação, como analgésicos, sedativos e bloqueadores musculares, dure 15 dias no Brasil.

    Em Ribeirão Pires, interior de São Paulo, pacientes são atendidos em um setor de um hospital de campanha em meio à pandemia da COVID-19, em 15 de março de 2021
    © Folhapress / Rubens Cavallari
    Em Ribeirão Pires, interior de São Paulo, pacientes são atendidos em um setor de um hospital de campanha em meio à pandemia da COVID-19, em 15 de março de 2021

    Tais insumos são fundamentais para garantir a respiração de pacientes que precisam ser intubados. A intubação é um procedimento agressivo e exige sedativos para ser suportada.

    Entre os medicamentos necessários estão substâncias controladas, o que pode dificultar a importação. Além disso, a demanda pelos insumos fez com que o preço disparasse.

    Conforme os dados do consórcio dos veículos de imprensa, o Brasil ttotaliza hoje 292.856 mortes e 11.949.335 casos confirmados de COVID-19. Apenas no sábado (20), 2.730 pessoas morreram devido à infecção pelo novo coronavírus no país.

    Tema:
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)

    Mais:

    COVID-19 já matou mais que doenças como AIDS e tuberculose no Brasil
    Brasil deve manter aplicação da vacina da AstraZeneca contra a COVID-19, defende especialista
    Com 2.724 óbitos, Brasil bate recorde com média móvel de 71.904 casos de COVID-19
    Tags:
    COVID-19, Brasil, Anvisa, Itamaraty
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar