12:38 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)
    2170
    Nos siga no

    O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta terça-feira (16) que o presidente Jair Bolsonaro é responsável pelas consequências das ações de ministros do seu governo.

    Mourão deu a declaração no dia em que o médico cardiologista Marcelo Queiroga fez seu primeiro pronunciamento como novo ministro da Saúde. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    "A função do ministro quem define, é o decisor, é o presidente da República. O ministro é um executor das decisões do presidente da República. Até por isso, então, o presidente é o responsável por tudo o que aconteça ou deixe de acontecer. Essa é a realidade", disse Mourão.

    Queiroga foi anunciado para substituir Pazuello no comando do Ministério da Saúde nesta segunda-feira (16). Essa é a terceira troca no comando da pasta durante a pandemia.

    Queiroga e Pazuello realizaram uma reunião nesta terça-feira (16) para organizar a transição de comando no Ministério da Saúde. Ao chegar para o encontro, Queiroga declarou que "o ministro da Saúde executa a política do governo".

    Segundo Bolsonaro, haverá uma transição de "uma ou duas semanas" entre o novo ministro e a equipe de Pazuello.

    Atualmente, o Brasil vive seu pior momento da pandemia de COVID-19, com mortes e internações em alta.

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)

    Mais:

    'Queiroga não é um negacionista', diz fundador da Anvisa à Sputnik Brasil
    Bolsonaro anuncia que vai condecorar Kassio Nunes Marques com a mais alta honraria do Exército
    Novo ministro da Saúde diz que Brasil vive 'nova onda da pandemia' e pede 'união'
    'Segura e eficaz': Fiocruz defende continuidade de uso da vacina da AstraZeneca
    Tags:
    Jair Bolsonaro, novo coronavírus, Eduardo Pazuello, Marcelo Queiroga, Ministério da Saúde, Brasil, Antonio Hamilton Mourão, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar