14:58 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)
    5353
    Nos siga no

    Após ser cotada para assumir o Ministério da Saúde, a médica Ludhmila Hajjar passou a ser alvo de ataques nas redes sociais. Em entrevista, ela disse que recebeu ameaças e que invasores tentaram entrar no hotel em que estava hospedada.

    A cardiologista Ludhmila Hajjar foi obrigada a adotar um esquema de segurança depois que recebeu ameaças de morte por ter sido cotada para assumir o Ministério da Saúde no lugar do ministro general Eduardo Pazuello. Na manhã desta segunda-feira (15), ela recusou o convite.

    Segundo informações do portal G1, a médica revelou que está "com carro blindado e segurança desde hoje [15] cedo". Ludhmila Hajjar disse que houve três tentativas de entrar no hotel onde ela estava.

    "Pessoas diziam que estavam com o número do meu quarto e que eu estava esperando visita. Diziam que eram pessoas que faziam parte da minha equipe médica. Se não fossem os seguranças do hotel, não sei o que seria", afirmou.

    "Realmente foi assustador. Está sendo, porque eles não terminaram. Mas eu tenho muita coragem, e pelo Brasil eu estava disposta a passar por isso. Mas me assustou", acrescentou a médica.

    A médica Ludhmila Hajjar não aceitou o convite para ser ministra da Saúde do governo Bolsonaro, no dia 15 de março de 2021.
    © Foto / Reprodução Instagram
    A médica Ludhmila Hajjar não aceitou o convite para ser ministra da Saúde do governo Bolsonaro

    A médica disse que não tem medo de ataques e não tem bandeira partidária. "Não tenho ligação política. Meu partido é o Brasil e a saúde das pessoas. Cuido de pessoas da esquerda e da direita e continuarei cuidando", afirmou. 

    Ludhmila Hajjar disse que divulgaram seu celular em redes sociais. "Eu sou uma médica, eu preciso do meu telefone para atender meus doentes. Eu recebo mais de 300 chamadas. Ameaças de morte".

    Questionada sobre o que o presidente Jair Bolsonaro disse diante da campanha de ódio de que foi vítima, Ludhmila afirmou: "Ele disse que faz parte."

    A médica afirmou mais cedo, nesta segunda-feira (15), que não aceitou substituir Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde porque não havia "convergência técnica" entre ela e o governo.

    A especialista também criticou a polarização e frisou que lockdown contra a COVID-19 salva vidas. "Essa maldade usada em redes sociais é um atraso para o Brasil. Essa narrativa não tem lógica e não tem fundamento", concluiu.

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)

    Mais:

    Contrária à cloroquina, médica cotada para Saúde disse que Brasil faz 'tudo errado' na pandemia
    Departamento de Saúde dos EUA confirma que pressionou Brasil contra vacina russa Sputnik V
    Butantan entrega ao Ministério da Saúde mais 3,3 milhões de doses da CoronaVac
    Tags:
    ameaças de morte, ameaças, carro blindado, blindado, COVID-19, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar