22:57 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)
    131
    Nos siga no

    Ao menos 2.207 novas mortes provocadas pela COVID-19 foram registradas no Brasil nas últimas 24 horas, elevando para 273.124 o total de vítimas fatais da doença desde o início da pandemia no país.

    De acordo com o consórcio de veículos de imprensa que acompanha o surto do novo coronavírus no território nacional com base em dados das secretarias estaduais de Saúde, a média móvel de mortes nos últimos sete dias voltou a bater recorde, ficando em 1.705. Com variação de 49% em relação à média de duas semanas atrás, se tem tendência de alta nos óbitos. 

    ​No que diz respeito ao número de casos, 78.297 novos diagnósticos foram confirmados ao longo do último dia. Agora, já são 11.284.269 pessoas que têm ou já tiveram a COVID-19 no Brasil desde o início da pandemia. E os casos também estão com tendência de alta, com variação de 30% na média em relação aos registros de 14 dias atrás. A média atual é de 69.680 novos diagnósticos por dia, também a maior desde o início do surto no país. 

    ​Ainda segundo o consórcio, 9.294.537 pessoas já receberam pelo menos a primeira dose de uma das vacinas que estão sendo usadas contra o novo coronavírus no Brasil, o que representa 4,39% da população brasileira. Desse total, 3.736.776 (1,76% da população) já receberam também a segunda dose, totalizando 13.031.313 doses aplicadas.

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil em meados de março de 2021 (116)

    Mais:

    Brasil à deriva: após 1 ano de pandemia, por que o país ainda bate recordes de mortes?
    Rio entra em 'alerta vermelho' com COVID-19 após aumento de casos de urgência
    ONU lança campanha para promover igualdade de acesso às vacinas contra a COVID-19
    Biden promulga plano de estímulo econômico para COVID-19 de US$ 1,9 trilhão
    Tags:
    recorde, casos, mortes, Brasil, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar