21:30 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)
    131
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Davis Fernandes Ferreira, biólogo virologista e professor do Instituto de Microbiologia da UFRJ, analisou as consequências do estudo sobre a variante brasileira do novo coronavírus divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

    O novo estudo aponta que pessoas infectadas com a cepa detectada no Amazonas, chamada P.1, têm uma carga viral dez vezes maior do que adultos infectados por outras cepas do SARS-CoV-2. Ferreira afirma que esta é uma conclusão importante para entender as particularidades desta variante. No entanto, não é possível, a partir deste estudo, confirmar que esta é uma variante mais letal – ou até mesmo mais infecciosa.

    O biólogo explica que ter maior carga viral significa que as pessoas infectadas produzem mais vírus. Por isso, quando tossem ou espirram, expelem maior quantidade de vírus, tornando mais fácil e provável a contaminação por outras pessoas, já que o sistema imune pode não dar conta de defender o organismo de uma alta carga viral. Ou seja: a cepa brasileira pode ser mais contagiosa pela quantidade de vírus produzida pelos infectados, e não pela infecciosidade, em si, da variante.

    "A simples constatação de carga viral maior não implica que essa carga viral vai tornar as pessoas mais infecciosas. […] As pessoas produzem mais vírus, mas é preciso saber o quão infecciosos são esses vírus", diz Ferreira em entrevista à Sputnik Brasil.

    O estudo da Fiocruz aponta que a carga viral da cepa brasileira não varia entre homens idosos e adultos de outras idades, nem entre homens e mulheres. Esta é uma particularidade desta variante – nas outras, homens idosos têm uma carga viral mais alta.

    "Neste estudo, detectaram maior carga viral, mas não sabemos qual a infecciosidade desses vírus. Só alguns deles são muito infecciosos ou a maioria é de vírus infecciosos? A gente não sabe", afirma o virologista.

    Da mesma forma, não é possível afirmar que esta seja uma variante mais letal. O alto número de mortes em áreas onde esta cepa é detectada pode estar associado justamente ao maior número de pessoas infectadas. Isso porque, se uma variante viral infecta mais pessoas, é esperado que mais óbitos aconteçam.

    "É difícil falar se é a mais letal. A letalidade é dada pelo número de infectados. Como não estamos testando em massa, a gente não sabe efetivamente quantas pessoas foram infectadas, quantas ficaram bem, ou quantas tiveram infecções assintomáticas, nem a porcentagem de óbitos dos infectados", avalia o especialista.
    Enfermeiros carregam cilindros de oxigênio em hospital de Manaus (AM). Familiares de internados precisam comprar oxigênio para manter os seus parentes vivos.
    © Folhapress / Junio Matos/A Crítica
    Enfermeiros carregam cilindros de oxigênio em hospital de Manaus (AM). Familiares de internados precisam comprar oxigênio para manter os seus parentes vivos.

    Cepa se espalhou pelo Brasil e pelo mundo

    Apesar de ter surgido no Amazonas, ao menos outros 18 estados já detectaram infecções pela variante. Os últimos a informarem que detectaram a nova cepa foram Mato Grosso e Maranhão. A variante brasileira também já se espalhou por outros países: neste domingo (28), o governo do Reino Unido anunciou que identificou seis casos de contaminação.

    Ferreira destaca que as variantes são algo dentro do esperado para uma pandemia viral: quanto maior a circulação de um vírus, mais mutações ele vai sofrer, dando origem a diferentes cepas.

    "Diminuir variantes é diminuir números de infecção. Quanto menos um vírus infectar outras pessoas, menor a chance de variantes aparecerem", explica o biólogo.

    Para isto, é essencial que as medidas de prevenção a infecções continuem sendo seguidas: ainda levará um tempo até que se possa aglomerar novamente e deixar de usar máscara e lavar as mãos assim que se chega em casa.

    "Não dá para a gente relaxar. As pessoas têm que ter um pouco mais de paciência e continuar seguindo as regras de isolamento social", finaliza o virologista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)

    Mais:

    Brasil informa que identificou novas variantes em exames de 204 pacientes com COVID-19
    COVID-19: variante da Califórnia parece ser mais contagiosa e resistente a vacinas, aponta estudo
    Fiocruz Amazônia anuncia nova ferramenta para detecção rápida de variantes do SARS-CoV-2
    Vacina da Moderna específica contra variante da África do Sul está pronta para teste
    Nova variante do coronavírus que pode reduzir eficácia de vacinas surge em Nova York
    Tags:
    Fiocruz, vírus, Brasil, novo coronavírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar