14:33 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6417
    Nos siga no

    Com nova alta, o valor do combustível já subiu 41,3% no acumulado de 2021. O diesel também sofreu o quarto reajuste e está 34,16% mais caro do que em dezembro do ano passado.

    A Petrobras vai alterar mais uma vez os preços da gasolina e do diesel nas refinarias. Nesta segunda-feira (1º), a companhia informou em nota, por meio da assessoria de imprensa, que o preço médio de venda da gasolina subirá para R$ 2,60 por litro a partir de terça-feira (2).

    A nova alta, de 4,8%, ocorre pouco mais de uma semana depois de o presidente Jair Bolsonaro anunciar a troca no comando da estatal.

    Já o diesel sofrerá um aumento de 5%, ficando R$ 0,13 mais caro por litro. Em média, passará a custar R$ 2,71 para as distribuidoras.

    Esta é a quinta alta nos preços da gasolina no ano e a quarta elevação no valor no caso do diesel.

    Roberto Castello Branco, então presidente da Petrobras, durante discurso em evento no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro de 2019
    © REUTERS / Sergio Moraes
    Roberto Castello Branco, então presidente da Petrobras, durante discurso em evento no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro de 2019

    Em dezembro de 2020, o litro da gasolina custava em média R$ 1,84 nas refinarias. O do diesel era cobrado por R$ 2,02. Desde o início do ano, os novos ajustes acumulados elevaram em 41,3% o litro da gasolina e em 34,16% o do diesel.

    Após a sequência de altas nos preços dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro indicou o general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobas. O mandato de Castello Branco, porém, só termina no dia 20 de março.

    Mais:

    Estatais perdem R$ 113,2 bilhões em 2 dias com troca de comando na Petrobras
    'Tem muita coisa errada' na Petrobras, mas general vai 'dar arrumada' na empresa, diz Bolsonaro
    Arthur Lira diz que reação do mercado à troca na Petrobras é 'bolha histérica'
    Tags:
    estatal, petroleira, Roberto Castello Branco, Jair Bolsonaro, refinarias, combustível, diesel, gasolina, Petrobras
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar