06:52 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (60)
    120
    Nos siga no

    A Frente Nacional de Prefeitos cobrou do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, um acordo do governo com a Pfizer para a compra de doses da vacina desenvolvida pelo laboratório. 

    Nesta terça-feira (23), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que vai conceder registro definitivo para a vacina contra o coronavírus produzida pela Pfizer. Trata-se do primeiro aval do tipo a ser autorizado no Brasil. 

    Apesar disso, as negociações entre o governo e o laboratório estão emperradas desde o ano passado, e não há acordo para compra de doses do imunizante

    O presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, disse que a entidade vai pedir ao governo para que feche um acordo com a Pfizer. 

    "Nossa força vai se concentrar em cobrar do ministério a compra da vacina, desenrolar", disse o presidente da FNP em entrevista ao portal UOL. 

    A entidade, que representa prefeitos de capitais e cidades com mais de 80 mil habitantes, vem criticando a gestão do governo federal durante a pandemia, culpando o Ministério da Saúde pelo ritmo lento da vacinação no país. 

    "Nessa questão da Pfizer, especificamente, o nosso foco vai ser para que o governo adquira as vacinas. Porque os prefeitos já provaram que têm grande mobilização local, de velocidade de vacinação. Se a gente tiver a vacina, podemos até junho ter a nossa população imunizada. E isso significa uma recuperação de mais dois pontos no PIB do país", argumentou Donizette.

    Governo critica cláusulas 'abusivas'

    O governo federal acusa a Pfizer de impor cláusulas abusivas no contrato para entrega de doses. O laboratório, que ofereceu 70 milhões de doses, diz que há má vontade do Ministério da Saúde.

    Outro empecilho é que o imunizante precisa ser armazenado a uma temperatura de -70ºC, o que dificulta a logística para manutenção das doses. A Pfizer, por sua vez, diz que pode ajudar o governo nessa questão. Com o registro definitivo, é possível iniciar a comercialização e uso em massa de uma vacina. 

    "Se a Pfizer já vendeu para tantos países e países que têm até grau de exigências superiores aos nossos, por que não fazer esse acordo comercial?", perguntou Donizette.

    Nesta segunda-feira (22), representantes do laboratório disseram que não vão abrir mão de suas condições para fechar um acordo com o Brasil. Em reunião com a Pfizer, senadores se prontificaram a intermediar as negociações entre a empresa e o governo. 

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (60)

    Mais:

    Vacina da Pfizer começa a ser testada em grávidas e bebês serão monitorados
    Infecção pelo SARS-CoV-2 diminui 95,8% em Israel após 2ª dose da vacina da Pfizer
    Pfizer e BioNTech teriam tentado vender sua vacina a US$ 65 por dose à UE
    Tags:
    Anvisa, vacina, governo, Pfizer, Frente Nacional de Prefeitos (FNP), pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Ministério da Saúde
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar