09:36 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (64)
    0 61
    Nos siga no

    O Ministério Público Federal (MPF) deu o prazo de 15 dias para os comandos do Exército e da Aeronáutica detalharem o total de dinheiro público gasto, as estruturas mobilizadas e a origem orçamentária dos recursos usados na produção e na distribuição de cloroquina.

    A medida faz parte de um inquérito civil público instaurado pela Procuradoria da República no Distrito Federal, que investiga ilegalidades no uso de dinheiro público para difundir medicamentos sem eficácia comprovada para tratar ou prevenir a COVID-19. As informações foram publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (22).

    Os comandantes das duas Forças devem ser comunicados por meio do procurador-geral da República, Augusto Aras, como é praxe em pedidos de explicação a autoridades com foro privilegiado, como é o caso dos comandantes das três Forças Armadas.

    O comandante do Exército, o general Edson Pujol.
    © Folhapress / Naian Meneghetti/Photo Premium
    O comandante do Exército, o general Edson Pujol.

    A decisão foi tomada pela procuradora da República Luciana Loureiro, no mesmo despacho em que converteu um procedimento preparatório em inquérito para investigar ilegalidades na difusão da cloroquina.

    A Aeronáutica é comandada pelo tenente-brigadeiro Antonio Carlos Bermudez. Já o Exército é chefiado pelo general Edson Leal Pujol.

    Além dos militares, o MPF também pediu informações ao Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre a posição da organização a respeito do aplicativo lançado pelo Ministério da Saúde e programado para indicar cloroquina em diversas circunstâncias.

    O MPF quer saber se o CFM concorda com o "tratamento precoce" e qual a posição do conselho sobre o aplicativo do ponto de vista da "violação da ética, da responsabilidade e autonomia médicas".

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no final de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Na ONU, Ernesto Araújo fala em 'censura' nas redes sociais e luta contra 'tecnototalitarismo'
    PEC do auxílio emergencial propõe fim de gasto mínimo com educação e saúde no Brasil
    Coordenadora de imunização do AM desmente Pazuello sobre estratégia de vacinação: 'Não vai mudar'
    Com aumento de internados em UTIs, São Paulo vai endurecer quarentena
    'Estratégia do governo de vacinar com 1ª dose o máximo de pessoas é acertada', diz epidemiologista
    Tags:
    pandemia, novo coronavírus, medicamentos, medicamento, medicação, Hidroxicloroquina, Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar