10:30 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)
    0 80
    Nos siga no

    O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (19) que o Ministério da Saúde ignorou três ofertas para a aquisição de lotes da vacina CoronaVac, feitas ainda no ano passado.

    Segundo Covas, os documentos propondo a venda das vacinas, que acabaram ignorados, foram enviados em julho, agosto e outubro de 2020. As ofertas tratavam de 60 milhões de doses do imunizante a serem entregues até o fim de 2020 e de outros 100 milhões para entrega em 2021.

    "Vamos colocar a responsabilidade em quem tem responsabilidade. Estão aqui os ofícios que foram encaminhados ao Ministério da Saúde ofertando vacinas. O primeiro em 30 de julho de 2020. Ofertamos nessa oportunidade 60 milhões de doses de vacinas prontas para entrega ainda em 2020 e 100 milhões para serem entregues em 2021. Não tivemos resposta", disse Covas, enquanto mostrava em um telão uma imagem com os documentos enviados ao Ministério da Saúde.

    A pasta da Saúde assinou contrato com o Butantan em janeiro. O acordo prevê a entrega de 46 milhões de doses da CoronaVac até abril e dava ao governo federal a opção de adquirir mais 54 milhões de injeções – o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, confirmou a compra destes lotes extras de vacinas, completando 100 milhões de doses.

    Nesta quinta-feira (18), o Ministério da Saúde pediu ao Instituto Butantan a entrega de mais 30 milhões de doses. Na próxima segunda-feira (23), o Instituto terá 426 mil doses prontas para entregar à pasta.

    Também nesta quinta-feira (18), governo federal anunciou que precisará rever a distribuição das vacinas relativas ao mês de fevereiro. A meta era distribuir 11,3 milhões de doses em fevereiro, sendo 9,3 milhões da CoronaVac e dois milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca, importadas da Índia. No entanto, o Butantan anunciou que só conseguiria fornecer 2,7 milhões de doses.

    Tema:
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    'Tenha dignidade' para defender CoronaVac, pede diretor do Butantan a Bolsonaro
    Diretor de hospital do Rio é exonerado após perda de 720 doses de CoronaVac
    Novo lote: Butantan recebe insumos para produção de 8,7 milhões de doses da vacina CoronaVac
    CoronaVac é eficaz contra variantes inglesa e sul-africana, informa Butantan
    Tags:
    Eduardo Pazuello, Ministério da Saúde, Brasil, Instituto Butantan, COVID-19, pandemia, Vacina CoronaVac, São Paulo, João Doria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar