15:11 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)
    1160
    Nos siga no

    Embaixador russo afirma que o Brasil tem toda a capacidade de produzir em massa a vacina Sputnik V contra a COVID-19.

    O embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov, está animado com as perspectivas da produção da vacina russa contra o SARS-CoV-2, a Sputnik V, em solo brasileiro. Akopov elogiou as instalações da farmacêutica brasileira União Química, parceira brasileira para a produção, e acredita que o Brasil não vai precisar importar insumos para a produção do inoculante russo.

    "Na América Latina, foi escolhido o Brasil como o país que tem condições físicas e instalações industriais adequadas não somente para engarrafar a vacina, mas produzir desde o começo até o final. Temos vários parceiros aqui no Brasil, vários governos estaduais declararam sua intenção de participar neste programa e foi encontrado um grande parceiro que é a empresa totalmente nacional, que é a União Química", afirmou Akopov em entrevista à emissora BandNews na segunda-feira (15).

    O embaixador ressaltou a importância da cooperação entre todos os países para que a pandemia do novo coronavírus seja controlada o mais rápido possível.

    "É absolutamente claro que se um país sozinho toma todas as mediadas para imunizar a sua própria população, não vai poder vencer esse flagelo que é a COVID-19. Quanto mais ampla seja a vacinação no mundo é melhor porque só juntando os esforços de todos os países e todos os cientistas do mundo será possível vencer essa doença", salientou Akopov.

    O embaixador ressaltou que o Brasil tem toda a capacidade de produzir em massa a Sputnik V e sugerindo que o nome da vacina produzida em solo nacional deveria se chamar Sputnik VBR, "porque seria uma vacina totalmente brasileira, produzida aqui", comentou. Segundo Akopov, o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya já passou toda tecnologia de produção para a União Química.

    No domingo (14), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que, entre 8 e 12 de março, vai vistoriar a fábrica da União Química em Guarulhos, na grande São Paulo, que vai produzir a Sputnik V no Brasil.

    Eficácia e segurança da Sputnik V

    A vacina russa Sputnik V já foi aprovada em vários países, como Bielorrússia, Argentina, Bolívia, Sérvia, Venezuela, Hungria, México e Nicarágua, entre outros.

    Em 11 de agosto de 2020, a Rússia registrou sua primeira vacina contra a COVID-19, Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Gamaleya em cooperação com o Fundo Russo de Investimentos Diretos.

    Em 2 de fevereiro, a revista científica britânica The Lancet publicou os resultados da terceira fase do ensaio clínico da vacina russa, confirmando sua segurança e eficácia de 91,6%.

    O Brasil já registrou 239.773 mortos pela COVID-19, segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado na segunda-feira (15). A pasta contabiliza ainda 9.866.710 pessoas já infectadas pelo vírus.

    Tema:
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Bolsonaro anuncia que testará no Brasil spray contra COVID-19 desenvolvido em Israel
    Coreia do Sul fecha acordos para comprar vacinas contra COVID-19 para mais 23 milhões de pessoas
    Colômbia inicia vacinação em massa contra COVID-19 em 2 dias, anuncia Duque
    Coreia do Norte tentou roubar tecnologia de vacina da Pfizer contra COVID-19, segundo inteligência
    Tags:
    Brasil, Rússia, vacina, vacinação, Sputnik V, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar