23:04 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 54
    Nos siga no

    O ministro do STF decidiu conceder a liberdade "de ofício", ou seja, por iniciativa própria. A defesa do ex-prefeito do Rio de Janeiro comemorou a decisão e ressaltou que a prisão foi "ilegal e desnecessária".

    O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogou a prisão domiciliar do ex-prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, nesta sexta-feira (12), conforme publicou o G1. Com isso, o político deverá estar em liberdade irrestrita em breve.

    Apesar de ter rejeitado um habeas corpus da defesa, Mendes decidiu conceder a liberdade "de ofício", ou seja, por iniciativa própria. O ministro, porém, determinou que Crivella entregue seus passaportes em até 48 horas e decidiu que ele não poderá manter contato com outros investigados.

    A defesa de Crivella afirmou, em nota, que a decisão de Mendes "reconhece que a prisão ordenada pela Justiça do Rio de Janeiro foi ilegal e desnecessária".

    "Primeiro, a ordem de prisão domiciliar pelo Superior de Justiça e agora a revogação pelo Supremo Tribunal Federal confirmam que a operação de dezembro foi abusiva e baseada em ilações", afirmaram os advogados.
    Ministro do STF Gilmar Mendes durante sessão plenária em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Ministro do STF Gilmar Mendes durante sessão plenária em Brasília

    Em prisão domiciliar desde o dia 23 de dezembro, Crivella chegou a passar um dia no presídio de Benfica, no Rio, mas foi transferido para casa por decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins.

    A prisão preventiva do até então prefeito foi autorizada pelo próprio STJ e, posteriormente, confirmada em audiência de custódia. Com isso, o político foi monitorado com tornozeleira eletrônica e ficou afastado do cargo até o fim do seu mandato, em 31 de dezembro de 2020.

    O ex-prefeito é investigado por suposta participação em um esquema - chamado de "QG da Propina" - em que empresários pagavam para ter acesso a contratos e receber valores que eram devidos pela gestão municipal, de acordo com as apurações do MP.

    Mais:

    Anvisa diz que pode acionar STF contra MP que obriga autorização de vacina
    Monopólio postal dos Correios: sindicalista e advogado mostram os 2 lados da disputa no STF
    'Ainda não está claro de onde governo vai tirar dinheiro', diz economista sobre auxílio emergencial
    Tags:
    liberdade, prisão domiciliar, prisão, STJ, Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, Rio de Janeiro, Marcelo Crivella
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar