02:40 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)
    0 50
    Nos siga no

    Com queda de 6,1%, dezembro de 2020 teve o pior resultado de vendas já registrado para um único mês no Brasil. Apesar de o ano registrar crescimento de 1,2%, o resultado foi o pior em quatro anos.

    Conforme publicou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (10), o comércio varejista brasileiro registrou queda recorde de vendas em dezembro de 2020, com recuo de 6,1%. A redução no volume de vendas é a maior desde 2000, quando teve início a série histórica do IBGE.

    Já em relação ao ano de 2020, o varejo teve crescimento de 1,2%, quando comparado com o ano anterior. Esse foi o quarto ano consecutivo a registrar crescimento no setor. Apesar disso, foi o menor crescimento desde 2017.

    Movimentação de pessoas pela Rua 25 de Março, região central de São Paulo, na sexta-feira, 11 de dezembro de 2020
    Movimentação de pessoas pela Rua 25 de Março, região central de São Paulo, na sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

    Os dados do IBGE também registraram que o comércio varejista ampliado, que inclui vendas de "veículos, motos, partes e peças", além de materiais de construção, teve queda de 3,7% em dezembro e de 1,5% no ano. Esse foi pior resultado anual dos últimos quatro anos.

    Mesmo com a queda no ritmo de vendas, o comércio é apontado como um dos setores de melhor desempenho na economia do país. Na quinta-feira (11), o IBGE divulgará os dados consolidados do setor de serviços, considerado o mais afetado pela pandemia da COVID-19.

    Tema:
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Comércio entre Brasil e EUA atinge a pior marca dos últimos 11 anos
    Venda de remédios sem eficácia contra a COVID-19 dispara: ivermectina tem salto de 557% no Brasil
    Queda recorde no comércio Brasil-EUA foi influenciada por Trump, diz pesquisador
    Tags:
    COVID-19, IBGE, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar