01:11 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    41711
    Nos siga no

    Ministério Público do Trabalho afirmou que a demissão só deve ocorrer em último caso, após as empresas buscarem conscientizar e convencer os funcionários.

    Os trabalhadores que se recusarem a tomar a vacina contra a COVID-19 sem razões médicas podem ser demitidos por justa causa, informou o Ministério Público do Trabalho (MPT) brasileiro. O órgão pediu que as empresas invistam em conscientização sobre a importância da vacinação e que negociem com seus funcionários, mas alertou que uma recusa individual e injustificada à imunização não poderá colocar em risco a saúde dos demais empregados.

    O Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu que o Estado pode impor medidas restritivas aos cidadãos que se recusarem a tomar a vacina contra o novo coronavírus.

    Apesar de até agora nenhum governo ter criado sanções, as ações podem incluir multa, vedação a matrículas em escolas e impedir a entrada em determinados locais.

    "Como o STF já se pronunciou em três ações, a recusa à vacina permite a imposição de consequências. Seguimos o princípio de que a vacina é uma proteção coletiva, e não individual. O interesse coletivo sempre vai se sobrepor ao interesse individual. A solidariedade é um princípio fundante da Constituição", disse o procurador-geral do MPT, Alberto Balazeiro, conforme noticiado pelo jornal Estadão.
    Manifestante protesta pelo início da vacinação contra a COVID-19 no Brasil, na frente do Palácio da Alvorada, Brasília, 8 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Manifestante protesta pelo início da vacinação contra a COVID-19 no Brasil, na frente do Palácio da Alvorada, Brasília, 8 de janeiro de 2021

    A orientação do MPT, contudo, é que a demissão seja a última alternativa após as tentativas de convencer os funcionários de aderir à imunização.

    "Na questão trabalhista, é preciso ter muita serenidade. A recusa em tomar vacina não pode ser automaticamente uma demissão por justa causa. Todos temos amigos e parentes que recebem diariamente fake news sobre vacinas. O primeiro papel do empregador é trabalhar com informação para os empregados", afirmou o procurador-geral.

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Brasil ultrapassa marca de 232 mil mortos pela COVID-19; vacinados chegam a cerca de 3,8 milhões
    Estudo mostra que vacina contra gripe diminui sintomas da COVID-19 em crianças
    Biden acredita que professores são prioridade para receber vacinação contra COVID-19
    Tags:
    demissão, empregos, vacinação, vacina, Ministério Público do Trabalho, STF, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar