21:00 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    3221
    Nos siga no

    Farmacêutica indiana Bharat Biotech diz estar pronta para exportar a vacina contra COVID-19 Covaxin ao Brasil já nesta semana. Porque o Brasil está entre os primeiros a receber o imunizante indiano? Convergência ideológica entre Bolsonaro e Modi pode ter facilitado o processo?

    Nesta terça-feira (9), a farmacêutica indiana Bharat Biotech, que desenvolve a vacina contra COVID-19 Covaxin, informou que poderá realizar as primeiras exportações de imunizantes para o Brasil e os Emirados Árabes Unidos (EAU) ainda nessa semana.

    "Essencialmente, sim", respondeu a porta-voz da empresa quando questionada sobre a possibilidade de as exportações começarem já nessa semana, reportou a Reuters.

    Além de fornecer 5,5 milhões de doses da Covaxin para o governo indiano, a Bharat Biotech quer exportar mais 4,5 milhões em investida comercial e diplomática, que pode favorecer a imagem internacional da Índia.

    Na semana passada, a Índia aprovou a exportação de imunizantes produzidos pelo Instituto Serum para países como o Camboja, Afeganistão, Mianmar, Bangladesh, Nepal, Sri Lanka e Maldivas.

    Vacinas produzidas pelo Instituto Serum da Índia chegam ao Afeganistão, em Cabul, 7 de fevereiro de 2021
    © AP Photo / Rahmat Gul
    Vacinas produzidas pelo Instituto Serum da Índia chegam ao Afeganistão, em Cabul, 7 de fevereiro de 2021

    Ao todo, Nova Deli vai fornecer cerca de 15,6 milhões de doses da vacina para 17 países, tanto por venda comercial quanto por doações, informou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Anurag Srivastava.

    "A Índia pode usar sua infraestrutura farmacêutica para criar uma imagem global de país que se preocupa com [...] os problemas mundiais e com o bem-estar dos países em desenvolvimento", disse Umesh Mukhi, professor do Departamento de Administração da FGV, à Sputnik Brasil.

    A iniciativa pode ajudar a mitigar a escassez de vacinas contra a COVID-19 em países em desenvolvimento, que dependem de iniciativas multilaterais como a Covaxin para terem acesso a imunizantes.

    Vacina indiana no Brasil

    No Brasil, a Anvisa recebeu o pedido de autorização para realização de testes da fase três com a vacina indiana Covaxin em território nacional no dia 5 de fevereiro. O pedido é de autoria do laboratório Precisa Farmacêutica em parceria com a Bharat Biotech.

    A coordenação do estudo fica a cargo do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein. O estudo contará com a participação de cerca de três mil voluntários, que receberão duas doses do imunizante, com 28 dias de intervalo.

    "[Essa parceria] pode funcionar muito bem no caso de Índia e Brasil porque temos um ambiente institucional que, tanto por razões positivas quanto negativas, está aproximando os dois países", disse Mukhi.

    Esse ambiente teria sido criado durante visita do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, à Índia, em janeiro do ano passado. Bolsonaro foi convidado de honra do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, para as celebrações do dia da República indiano.

    "As lideranças estão aproximando os países", disse Mukhi. "Isso facilita o acesso de empresas farmacêuticas indianas ao mercado brasileiro."

    Na ocasião da visita, fotos do líder brasileiro foram estampadas nas ruas da capital do país, Nova Deli. Porém, as homenagens a Bolsonaro não devem ser superestimadas, já que também foram concedidas a Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, caminham juntos durante comemorações do Dia da República, Nova Deli, 25 de janeiro de 2020 (foto de arquivo)
    © AP Photo / Prakash Singh
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, caminham juntos durante comemorações do Dia da República, Nova Deli, 25 de janeiro de 2020 (foto de arquivo)

    Segundo Mukhi, "apesar dos dois [líderes] estarem na categoria de extrema direita [...] não é que eles se encontrem regularmente ou tenham uma plataforma comum".

    No entanto, "podemos notar que quando Bolsonaro escreveu uma carta para Modi solicitando lotes de hidroxicloroquina, [a Índia] liberou a carga. Claro que esse foi um gesto positivo que fortaleceu as relações", lembrou o professor.

    O relacionamento "que sempre foi bom" não está livre de desentendimentos. Em 2020, o Brasil rejeitou uma proposta da Índia e da África do Sul na Organização Mundial do Comércio (OMC) para suspender patentes de produtos relacionados à COVID-19.

    "Desentendimentos são completamente normais, mas usá-los como uma espada para bloquear iniciativas não é algo que a Índia faria", acredita Mukhi. "A política externa indiana não é baseada em vingança."

    Virada a página, o Ministério da Saúde informou que quer adquirir 20 milhões de doses da vacina Covaxin.

    Filha do cônsul indiano no Rio de Janeiro, profissional da saúde da linha de frente, recebe dose de vacina da Oxford/AstraZeneca, no Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Bruna Prado
    Filha do cônsul indiano no Rio de Janeiro, profissional da saúde da linha de frente, recebe dose de vacina da Oxford/AstraZeneca, no Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2021

    De acordo com o secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, o texto aprovado pela pasta solicita "ao fabricante que obtenha da Anvisa o quanto antes a aprovação para uso emergencial e temporário no país, para que realizemos o pagamento e iniciemos a aplicação da vacina".

    Produção de vacinas na Índia

    De acordo com Mukhi, o complexo farmacêutico indiano, um dos mais competitivos do mundo, está usando sua experiência na área de produção de medicamentos para entrar no mercado de vacinas.

    "O que vemos agora é que conforme as empresas farmacêuticas desenvolveram suas capacidades, passaram a investir mais em pesquisa e desenvolvimento", disse Mukhi. "Baseando-se nessa capacidade e experiência, poderemos produzir vacinas nacionais."

    "Dito isso, é interessante notar que o setor farmacêutico indiano é um tanto dependente da China para a importações de IFA [igrediente farmacêutico ativo]" disse Mukhi.

    Funcionários em ônibus da farmacêutica Bharat Biotech, em Hyderabad, Índia, 9 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Mahesh Kumar A
    Funcionários em ônibus da farmacêutica Bharat Biotech, em Hyderabad, Índia, 9 de janeiro de 2021

    Segundo ele, a indústria de IFA indiana ainda não é capaz de competir com os baixos custos de sua análoga chinesa.

    "Enquanto as farmacêuticas indianas considerarem mais eficiente do ponto de vista de custos comprar [da China], elas vão fazê-lo", disse Mukhi. "Isso não causa nenhum problema no tocante à dependência, porque é assim que o livre mercado funciona."

    No setor de medicamentos, a Índia mantém sua posição como maior fornecedora global de genéricos, ocupando 20% do mercado. Nova Deli também atende a 62% da demanda mundial por vacinas.

    "Sabemos que os medicamentos indianos têm qualidade relativamente superior e vantagens em relação ao custo", explicou Mukhi. "Por isso podemos fornecer produtos de qualidade para os países desenvolvidos, assim como [...] para países em desenvolvimento, que buscam preços acessíveis."

    Segundo ele, essa base industrial garante que a "Índia tenha capacidade para que suas empresas desenvolvam vacinas nacionais. Esse será um movimento pioneiro", concluiu o especialista.

    Agentes da Saúde administram vacina produzida pelo Instituto indiano Serum, em Catmandu, Nepal, 27 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Niranjan Shrestha
    Agentes da Saúde administram vacina produzida pelo Instituto indiano Serum, em Catmandu, Nepal, 27 de janeiro de 2021

    Nova Déli coordena campanha de vacinação que ambiciona imunizar mais de 1,3 bilhão de pessoas. De acordo com os planos de Nova Deli, 300 milhões de pessoas de grupos prioritários devem ser vacinadas até agosto.

    A Índia é o segundo país mais atingido pela COVID-19 em número de casos, com mais de dez milhões de diagnósticos, e quarto em número de mortes, com 155.158 óbitos, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA).

    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Brasil e Índia aprofundam relações para 'contrabalançar' peso da China, analisa especialista
    Albert Einstein anuncia que vai realizar testes de fase 3 da vacina indiana Covaxin em São Paulo
    Brasil no fim da 'fila' por vacinas: quais foram os erros do governo brasileiro?
    Tags:
    Narendra Modi, Jair Bolsonaro, imagem, diplomacia, pandemia, COVID-19, vacina, Índia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar