04:37 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    082
    Nos siga no

    O Tribunal de Contas da União (TCU) deu um prazo de dez dias para a Secretaria de Saúde de Manaus responder se foi pressionada pelo Ministério da Saúde a tratar pacientes com COVID-19 com os remédios cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina.

    A decisão foi tomada pelo ministro do TCU, Benjamin Zymler.

    "Informe se houve algum tipo de pressão por parte dos membros da força-tarefa do Ministério da Saúde quando da visita feita no dia 11/1/2021, para que essa unidade de saúde difundisse a utilização de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina e/ou ivermectina no tratamento precoce dos pacientes com COVID-19 nesse município", escreveu.

    Os três remédios são ineficazes para o combate à doença, de acordo com estudos científicos realizados no Brasil e no exterior. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Zymler faz menção a uma visita de uma força-tarefa do Ministério da Saúde a Manaus, no início de janeiro, quando a cidade já registrava disparada nos casos de hospitalizações causadas pelo novo coronavírus.

    O ministro tomou a decisão com base em pedido do Ministério Público de Contas. Zymler, no entanto, argumentou que, até o momento, não há comprovação de que o ministério esteja obrigando o uso dos medicamentos sem eficácia.

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Exonerado por usar avião da FAB volta ao Planalto para novo cargo
    Brasil pretende doar 1 milhão de testes de COVID-19 quase vencidos ao Haiti
    O que Lava Jato foi para você? Web traz verdades sobre maior operação anticorrupção do Brasil
    Maia reclama de traição e diz que DEM foi para a extrema-direita
    Tags:
    COVID-19, Eduardo Pazuello, Ministério da Saúde, Manaus, Amazonas, novo coronavírus, Tribunal de Contas da União, TCU, Hidroxicloroquina, medicação, medicamentos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar