22:19 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    2132
    Nos siga no

    O Brasil só conseguirá imunizar 70% de sua população contra a COVID-19 em 2024 caso mantenha o ritmo atual de vacinação. A informação foi publicada neste domingo (7) pelo jornal O Globo.

    Atingir 70% da população vacinada é o patamar considerado essencial por especialistas para que se possa voltar viver o "velho normal", sem a necessidade de máscaras e medidas de isolamento. Até o momento, o Brasil imunizou 3,4 milhões de pessoas – o que corresponde a 1,6% de sua população de cerca de 210 milhões.

    Apesar do ritmo lento, o Brasil ainda está à frente de outros países da América Latina, como Argentina (que imunizou 1% da população) e México (0,6%). Os números são do Our World in Data, plataforma da Universidade de Oxford.

    A mesma matéria veiculada pelo Globo, no entanto, informa que o Brasil tem potencial para acelerar consideravelmente o ritmo de vacinação. Segundo o que José Cássio de Moraes, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa-SP, disse ao jornal, o país pode vacinar mais de dois milhões de pessoas diariamente.

    "O PNI [Programa Nacional de Imunização] pode vacinar, tranquilamente, dois milhões de pessoas por dia. E esta é uma estimativa conservadora, levando em conta que só exista um vacinador em cada uma das 40 mil salas de vacinação do país", disse o médico ao jornal O Globo.

    Em resposta à matéria, o Ministério da Saúde afirmou que já negociou a compra de 354 milhões de doses de vacina, quantia suficiente para imunizar 83% da população brasileira (com duas doses). Esse número considera as doses de CoronaVac, da vacina de Oxford e das injeções a serem obtidas pelo consórcio COVAX.

    Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil
    Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil

    Na sexta-feira (5), uma matéria veiculada pelo Estadão informou que o Brasil terá vacinas o bastante para imunizar mais de um quarto (26,7%) de sua população até o fim de março.

    Na noite deste sábado (6), chegou ao Brasil o primeiro carregamento com 90 litros de insumos vindos da China, que são essenciais para a produção da vacina da AstraZeneca. Com a matéria-prima, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) poderá produzir 2,8 milhões de injeções contra a COVID-19. No mesmo dia, a farmacêutica norte-americana Pfizer pediu o registro definitivo da sua vacina contra a COVID-19 à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que pode ampliar o leque de vacinas para o Brasil imunizar sua população.

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Especialista russo da OMS vê pouca possibilidade de SARS-CoV-2 ter saído de laboratório em Wuhan
    Apenas Brasil e minoria de países são contra quebra de patentes de vacinas, diz especialista
    CPI da pandemia ainda não tem força para abalar Bolsonaro, diz especialista
    Brasil passa de 231 mil mortes por COVID-19 e média de óbitos chega ao 17º dia acima de 1.000
    Tags:
    Jornal O Globo, saúde, Brasil, novo coronavírus, pandemia, vacina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar