03:30 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    3172
    Nos siga no

    A farmacêutica Merck afirmou hoje (4), em comunicado, que a não há "nenhuma evidência significativa" de eficácia clínica no uso da ivermectina para tratamento da COVID-19.

    No mesmo dia em que foi divulgado que a venda de remédios sem eficácia contra a COVID-19 disparou no Brasil, inclusive com a ivermectina apresentando um salto de 557%, a farmacêutica Merck disse que não há base científica para um potencial efeito terapêutico contra a COVID-19 de acordo com estudos pré-clínicos, escreve o jornal Estado de São Paulo.

    ​"Não acreditamos que os dados disponíveis suportem a segurança e eficácia da ivermectina além das doses e populações indicadas nas informações de prescrição aprovadas pela agência reguladora", afirmou a empresa.

    A empresa acrescentou também que não há evidência significativa de eficácia clínica em pacientes com a doença (COVID-19). A farmacêutica ainda pontuou que há uma preocupante ausência de dados sobre segurança da substância nesse contexto na maior parte dos estudos.

    A recomendação original de uso da ivermectina presente em bula é voltada para tratamento de infecções causadas por parasitas.

    No Brasil, o governo federal lançou o aplicativo TrateCOV, do Ministério da Saúde, para orientar o enfrentamento do coronavírus. O aplicativo recomenda o uso da ivermectina, além de outros medicamentos sem eficácia comprovada como a cloroquina. Porém, após denúncias, o serviço on-line do Ministério saiu do ar.

    Presidente Jair Bolsonaro mostra caixa de cloroquina durante cerimônia de posse do ministro da Saúde, general Eduardo Pauzello, no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF)
    © Folhapress / Edu Andrade/Fatopress
    Presidente Jair Bolsonaro mostra caixa de cloroquina durante cerimônia de posse do ministro da Saúde, general Eduardo Pauzello, no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF)

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Cientistas nomeiam mais uma vitamina cujo déficit é ligado à forma grave da COVID-19
    Cientistas explicam capacidade de novas cepas da COVID-19 de resistir aos anticorpos
    'COVID-19 de laboratório' é teoria pouco provável, diz líder da investigação da OMS na China
    Tags:
    Brasil, vacinação, vacina, indústria farmacêutica, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar