02:44 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    8194
    Nos siga no

    Houve falha do governo federal brasileiro na negociação com a COVAX, que anunciou apenas 10,6 milhões de doses para o país? Era possível garantir mais vacinas à população? Para entender essas questões, a Sputnik Brasil conversou com especialistas no assunto.

    O novo cronograma da COVAX Facility para a distribuição mundial de vacinas, divulgado na quarta-feira (3), prevê que o Brasil receba apenas 10,6 milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca. A quantidade é menor que a de cinco países emergentes: Bangladesh (12,79 milhões), Indonésia (13,71 milhões), Nigéria (16 milhões), Paquistão (17,16 milhões) e Índia (97,16 milhões).

    O acordo do Brasil com o consórcio internacional é de 42,5 milhões de doses até o fim de 2021. Porém, por enquanto, menos de um quarto desse total está reservado ao país: são exatamente 10.672.800.

    Quando aderiu à aliança, em setembro de 2020, o Brasil optou por contratar uma quantidade de vacinas que beneficiaria somente 10% da população, proporção mínima exigida pela inciativa.

    A população brasileira é de mais de 212 milhões de habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mas vale lembrar que a vacina da Oxford requer a aplicação de duas doses por pessoa para garantir a imunização.

    Para o professor Flávio da Fonseca, do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o governo brasileiro deu pouca importância para a iniciativa promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e, por isso, o país ficou com uma cota menor.

    "O que acontece é que o Brasil incialmente não se juntou à iniciativa COVAX. Ele acabou sendo pressionado e se juntou tardiamente, exatamente porque o governo brasileiro não deu importância para essa iniciativa, optando pelo mínimo possível de solicitações de vacina e quase desdenhando da iniciativa", afirmou o professor, que é integrante do Comitê Permanente de Enfrentamento ao Novo Coronavírus, da UFMG.
    Doses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca
    © AP Photo / Gareth Fuller
    Doses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca

    Presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), Fonseca avalia que não houve um erro de cálculo, e sim que o governo "deliberadamente" não considerou valorizar a inciativa. O pesquisador diz que o Brasil deveria ter solicitado um número de doses mais condizente com a realidade nacional para garantir a queda da curva de contágio da COVID-19.

    "Estamos hoje com um número que é um fiasco. Precisamos de um quantitativo muito maior para atingir a tão sonhada imunidade coletiva", criticou o professor.

    Para atingir a imunidade coletiva, a OMS já informou que um país precisa ter de 60% a 70% da população vacinada.

    "Um equívoco total. O governo brasileiro foi extremamente incompetente na questão das negociações vacinais, desdenhando da vacina, da doença e dos países fabricantes. Os outros países da iniciativa estão com mais doses porque solicitaram mais. Então, a responsabilidade é total do governo brasileiro", afirmou.

    Adiamento de doses

    Outro ponto negativo para o Brasil no anúncio feito pelo consórcio na quarta-feira (3) é que uma parte do lote de 10,6 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca foi adiada para o segundo semestre de 2021.

    A COVAX indicou a chegada de 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre e de mais seis milhões nos três meses seguintes, entre abril e junho. As outras três milhões de doses restantes da cota brasileira deverão desembarcar só depois do meio do ano.

    No último sábado (30), o Ministério da Saúde, comandado por Eduardo Pazuello, anunciou que esperava receber entre dez e 14 milhões de doses do imunizante nesta primeira leva, mas não informou os prazos.

    Até o momento, o país possui menos de 3 milhões de pessoas vacinadas.

    Profissional da saúde recebe dose de vacina contra a COVID-19 em São Paulo.
    © AP Photo / Andre Penner
    Profissional da saúde recebe dose de vacina contra a COVID-19 em São Paulo.

    O médico sanitarista Reinaldo Guimarães, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), pondera que há um desequilíbrio mundial entre a oferta e a demanda de vacinas. O especialista ressalta que o atraso na distribuição de doses está ocorrendo em escala global.

    "Temos visto vários países reclamando que não estão recebendo doses já contratadas e pagas. Então, é natural que, havendo esse desequilíbrio geral na oferta de vacinas no mundo, haja essa frustração", diz Guimarães.

    Diplomacia brasileira

    Contudo, o professor do Núcleo de Bioética e Ética Aplicada da UFRJ (Nubea) lembra que, em 2020, o Brasil rejeitou uma proposta de Índia e a África do Sul na Organização Mundial do Comércio (OMC).

    Na ocasião, os países emergentes desejavam a suspensão de patentes e outros instrumentos de propriedade intelectual vinculados ao combate à pandemia de COVID-19, mas o governo brasileiro ficou ao lado nas nações desenvolvidas.

    "O Brasil apoiou a posição dos Estados Unidos, do Canadá e da União Europeia. Isso deixou o Brasil em uma posição de fragilidade diplomática muito grande", disse o vice-presidente da Abrasco.
    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Planalto.
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Planalto

    Para Guimarães, em um momento de escassez de imunizantes, a diplomacia é a ferramenta mais importante para se colocar melhor na "fila" por vacinas.

    "Fila haverá. Mas você pode se colocar no final ou em uma posição melhor. A atuação desastrosa do presidente da República [Jair Bolsonaro] e do ministro das Relações Exteriores [Ernesto Araújo] deixou o Brasil muito para o fim da fila", avaliou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Pesquisa: 34,7% dos médicos brasileiros ainda acreditam na cloroquina contra a COVID-19
    Diretor geral da OMS diz que nacionalismo da vacina contra COVID-19 é prejudicial para todos
    COVID-19 na América Latina: Nicarágua aprova a Sputnik V e Colômbia dá sinal verde para a CoronaVac
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Universidade de Oxford, vacinação, vacina, Brasil, Ministério da Saúde, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar