11:38 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    3310
    Nos siga no

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta quarta-feira (3) que modificará os requisitos mínimos para a aprovação de pedidos de uso emergencial de vacinas contra a COVID-19.

    Com a mudança, os pedidos de uso emergencial de vacinas contra a COVID-19 não precisarão mais cumprir com a exigência de que testes na fase três sejam realizados no Brasil.

    A medida abre caminho para a facilitação da liberação do uso emergencial da vacina russa Sputnik V no Brasil. A realização de testes no Brasil na fase três dos testes vinha sendo um obstáculo para a autorização do imunizante russo no país.

    A União Química, farmacêutica responsável pela produção da Sputnik V no país, ainda não tem a autorização para a produção da vacina. O pedido foi realizado ainda em janeiro, quando foi suspenso pela Anvisa justamente por não terem sido realizados testes da fase três do imunizante no Brasil.

    Laboratório União Química produz vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em projeto-piloto, Brasília, 25 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Laboratório União Química produz vacina russa contra COVID-19, Sputnik V, em projeto-piloto, Brasília, 25 de janeiro de 2021

    Na última terça-feira (2) foi publicado um estudo pela revista científica The Lancet mostrando que a eficácia da vacina Sputnik V é de 91,6% em um regime de duas doses. A eficácia e segurança do imunizante russo foram comprovadas durante o ensaio clínico de fase três da vacina.

    Em nota, a Anvisa declarou que a publicação do estudo clínico em uma revista científica de referência em relação à Sputnik V é "uma boa notícia". No entanto, a agência destacou que, para decidir sobre a eficácia e segurança, a "autoridade reguladora precisa ter acesso aos dados completos gerados nos estudos clínicos".

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    México autoriza uso emergencial da vacina contra COVID-19 Sputnik V
    Após inspeção, Anvisa afirma que União Química não está produzindo Sputnik V sem autorização
    Laboratório pedirá autorização à Anvisa para testes com vacina indiana no Brasil
    Fiocruz pede registro definitivo da vacina de Oxford/AstraZeneca à Anvisa
    Tags:
    Brasil, Rússia, vacinação, vacina, pandemia, novo coronavírus, COVID-19, Sputnik V, Anvisa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar