12:53 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)
    160
    Nos siga no

    Eleitos nesta semana para mandatos de dois anos, os novos presidentes do Senado e da Câmara garantem que vão analisar alternativas para o benefício emergencial e afirmam que prioridade será a aprovação de reformas.

    Os novos presidentes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Arthur Lira (PP-AL), assinaram, nesta quarta-feira (3), um documento sobre a intenção de dar agilidade ao processo de vacinação contra a COVID-19 no Brasil. Os dois foram eleitos na última segunda-feira (1º) para mandatos de dois anos.

    "Assegurar, de forma prioritária, que todos os recursos para aquisição de vacinas estejam disponíveis para o Poder Executivo e que não faltem meios para que toda a população possa ser vacinada no prazo mais rápido possível, e que a peça orçamentária a ser votada garanta que cada brasileiro terá a certeza de que o dinheiro do seu imposto estará disponível para sua vacina", diz o texto lido por Pacheco e Lira.
    O candidato à presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), comemora com aliados após ser eleito presidente da Casa, no plenário da Câmara, em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O candidato à presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), comemora com aliados após ser eleito presidente da Casa, no plenário da Câmara, em Brasília

    Eles afirmaram que vão analisar as alternativas para aprovar um novo auxílio emergencial que não prejudique o teto de gastos do governo. Pacheco e Lira também anunciaram que as aprovações da reforma administrativa e da PEC dos Fundos Públicos serão prioridades em suas gestões no Congresso Nacional.

    "O Senado Federal e a Câmara dos Deputados manifestam que trabalharão de forma conjunta, harmônica e colaborativa em todos os temas que possam facilitar e ajudar os brasileiros na superação do drama da pandemia, incluindo, sobretudo, a análise das possibilidades fiscais para, respeitando o teto de gastos, avaliar alternativas de oferecer a segurança financeira através de auxílio emergencial", disseram os presidentes do Senado e da Câmara.

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no início de fevereiro de 2021 (64)

    Mais:

    Sem auxílio emergencial, Brasil chega a quase 27 milhões de miseráveis, diz pesquisa
    Cientistas explicam maior perigo da cepa britânica da COVID-19
    COVID-19: 'Acesso a novas vacinas é urgente no Brasil', diz ex-ministro José Gomes Temporão
    Tags:
    auxílio financeiro, teto de gastos, pandemia, vacinação, novo coronavírus, COVID-19, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco, Arthur Lira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar