04:28 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    443
    Nos siga no

    Vice-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin divulgou uma nota nesta terça-feira (2) condenando o golpe militar em Mianmar.

    Em carta publicada pelo portal do STF, o ministro Edson Fachin, que será o comandante da Justiça Eleitoral nas eleições de 2022 no Brasil, fez um apelo e rechaçou a "desmoralização dos processos eleitorais" pelo mundo.

    Segundo ele, "ao romper de fevereiro, um golpe é deflagrado na República da União de Mianmar. A derrota eleitoral é atribuída a desvios de procedimento. A suposta fraude engendra um discurso vazio e desprezível, com o fim de sustentar um governo autocrático".

    O Exército de Mianmar assumiu o poder do país nessa segunda-feira (1º) e declarou estado de emergência. Os militares prenderam o presidente do país, Win Myint, e Aung San Suu Kyi, líder do partido governista e vencedora do Nobel da Paz em 1991.

    ​Ainda de acordo com o documento publicado por Fachin, "as eleições democráticas objetivam permitir que os conflitos sociais sejam processados de modo civilizado e pacífico. Destinam-se, ademais, a permitir que a sociedade dite, livremente, os caminhos do seu desenvolvimento. Fora da institucionalidade eletiva a comunidade expõe-se à violência e retrocede ao papel de unidade cativa do abuso e do jugo. A política resulta traída, amputada em sua missão de amainar o alcance do sofrimento humano".

    "Golpe algum, em circunstância alguma, é mal necessário. Golpe sempre é um mal. Emergências e crises devem ser resolvidas dentro da democracia. Violações de direitos humanos e afrontas às garantias fundamentais devem ser apuradas e decididas na legalidade democrática", concluiu o ministro na nota.

    Militares birmaneses dentro da Prefeitura de Yangon depois de ocuparem o edifício, em Yangon, Mianmar, 2 de fevereiro de 2021
    © REUTERS
    Militares birmaneses dentro da Prefeitura de Yangon depois de ocuparem o edifício, em Yangon, Mianmar, 2 de fevereiro de 2021

    Mais:

    Edson Fachin manda juízes soltarem presos de grupo de risco em presídios superlotados
    Aung San Suu Kyi e outros políticos de partido governante são detidos em Mianmar
    Mianmar: após tomarem o poder, militares trocam 11 ministros e demitem 24 vice-ministros
    Tags:
    Brasil, STF, TSE, golpe de Estado, golpe branco, Mianmar, Exército de Mianmar, Edson Fachin
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar