19:44 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    8623
    Nos siga no

    Em decisão a favor de uma empresa investigada por explorar madeira ilegalmente, um juiz federal de Belém, no Pará, fixou uma multa diária de R$ 200 mil para cada policial federal envolvido na ação.

    O juiz Antonio Carlos Campelo, segundo informações da Folha de São Paulo, mandou liberar uma balsa de madeira apreendida. Com a decisão, ele derrubou entendimento de seu substituto, que havia mandado o caso de volta para a justiça do Amazonas.

    O TRF-1 suspendeu, por ora, a decisão de Campelo por entender que a competência do caso é no Amazonas, não no Pará.

    Na Polícia Federal, a preocupação é de que outras operações similares sejam anuladas com base nessa decisão, como a que fez a maior apreensão de madeira da história.

    A maior apreensão de madeira irregular da história do Brasil

    Em dezembro de 2020, a Polícia Federal, na divisa do Pará com o Amazonas, concluiu a maior apreensão de madeira irregular da história brasileira. Foram 131,1 mil metros cúbicos de toras apreendidas – um volume suficiente para construir 2.620 casas.

    A operação foi batizada de Handroanthus GLO, que reúne o nome científico do ipê, a árvore mais cobiçada pelos madeireiros na Amazônia, à sigla da Garantia da Lei e da Ordem. Até então, o recorde de apreensão eram de 65 mil metros cúbicos de madeira ilegal extraída, também no Pará. O volume, apreendido em 2010, corresponde à metade do novo recorde.

    © Foto / Reprodução/Polícia Federal
    Polícia Federal realiza maior apreensão de madeira ilegal da história do Brasil na divisa do Pará com Amazonas.

    Mais:

    Desmatamento da Amazônia em novembro bate recorde do mês nos últimos 10 anos
    Economista: desmatamento e agressividade ideológica cobrarão preço alto do Brasil
    WWF: é preciso frear desmatamento para reduzir surgimento de doenças como a COVID-19
    Tags:
    justiça criminal, juiz, Polícia Federal, madeireiros, desmatamento, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar