07:24 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    11191
    Nos siga no

    O nível de pobreza extrema no Brasil atingiu a maior taxa em uma década, chegando a quase 27 milhões de pessoas, de acordo com uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

    Conforme a pesquisa da FGV Social, com base em informações compiladas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 12,8% dos brasileiros vivem hoje com menos de R$ 246 por mês, ou R$ 8,20 por dia. Os dados foram publicados pelo jornal Folha de São Paulo na noite do sábado (30).

    Segundo a publicação, o nível de pobreza é o mais alto em dez anos e coincide com o fim do pagamento do auxílio emergencial. Os dados colhidos nas Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílio (Pnads Contínua e COVID-19) apontam que a pobreza aumentou significativamente após a redução dos pagamentos pela metade, em outubro do ano passado, e chegou ao patamar atual após o fim do programa, encerrado em dezembro.

    Movimentação em agência da Caixa Econômica na cidade de Curitiba (PR), para recebimento do auxílio emergencial pago pelo governo.
    © Folhapress / Eduardo Matysiak/Futura Press
    Movimentação em agência da Caixa Econômica na cidade de Curitiba (PR), para recebimento do auxílio emergencial pago pelo governo

    Em agosto de 2020, o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 a cerca de 55 milhões de brasileiros chegou a derrubar a pobreza extrema no país para 4,5%, cerca de 9,4 milhões de pessoas, o menor índice já registrado. A medida serviu de apoio às pessoas afetadas pelas restrições sociais impostas para conter o avanço da COVID-19.

    Ainda segundo os dados, as parcelas mais impactadas da sociedade brasileira com a perda de renda durante a pandemia são os jovens, os sem escolaridade, os nordestinos e os negros.

    Em São Paulo, moradores da favela de Paraisópolis recebem mil cestas básicas em ação organizada pelo grupo G10 das favelas contra efeitos sociais da pandemia da COVID-19, em 22 de outubro de 2020
    © Folhapress / Alice Vergueiro
    Em São Paulo, moradores da favela de Paraisópolis recebem mil cestas básicas em ação organizada pelo grupo G10 das favelas contra efeitos sociais da pandemia da COVID-19, em 22 de outubro de 2020

    Um dos setores da economia mais afetados pela pandemia foi o de serviços, o que impacta tanto a renda dos mais pobres quanto o consumo das famílias, que representa cerca de 65% do PIB brasileiro. Somado a isso, em 2020, a inflação dos preços de alimentos atingiu 15,4% e o valor da cesta básica em relação ao salário mínimo chegou ao maior patamar em 12 anos - 53,45% -, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

    O desemprego no país também está em níveis altos e crescendo, como mostram dados do IBGE. A Pnad Contínua apontou 14,6% de desempregados no país no final do terceiro trimestre de 2020. Ainda não há dados consolidados sobre o PIB brasileiro do ano passado, mas a expectativa é de queda em torno de 5%, ainda segundo o IBGE.

    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Pobreza extrema pode chegar a 27,5 milhões de pessoas apenas na América Latina
    Fim de auxílio emergencial e da MP 936 tende a 'reduzir renda e aumentar pobreza', diz economista
    Desemprego no Brasil fica em 14,1% no trimestre encerrado em novembro
    Tags:
    COVID-19, Dieese, IBGE, FGV, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar