08:43 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    11189
    Nos siga no

    A ex-presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (29) que acredita que a democracia brasileira está "totalmente corroída", durante a sua exposição no fórum promovido pelo Grupo de Puebla.

    "A democracia brasileira está totalmente corroída", disse a ex-presidente petista durante a sua participação na quinta reunião do fórum político e acadêmico, intitulada a "América Latina Mudou" e transmitida ao vivo na Internet, na qual fez questão de frisar que isso não acontece por causa do presidente "neofascista" Jair Bolsonaro, pois ela o considera um "produto dessa corrosão".

    Na opinião da ex-mandatária brasileira, o ponto de partida de toda a degradação da democracia no Brasil está na adoção do "lawfare", que ela classifica como a "manipulação da Justiça" para destruir e interditar os adversários políticos, em referência à condenação judicial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e no que ela chama de "golpe", o processo de impeachment que a removeu do poder em 2016.

    Julgamento do impeachment de Dilma Rousseff
    Lula Marques/AGPT
    Julgamento do impeachment de Dilma Rousseff

    Dilma também pediu a seus colegas de reunião do Grupo de Puebla que corrigissem virtualmente o manifesto inicial que foi publicado no qual se fala de "golpes blandos" ("golpes suaves", em tradução livre do espanhol) na América Latina.

    "O fato de o golpe não ser com os tanques nas ruas, com invasão de domicílios, com o fechamento do Congresso e com tortura explícita, não significa 'blandura' [suavidade] nenhuma", frisou a ex-presidente, ao enfatizar a injustiça de processos que encerraram o seu mandato e de outros presidentes da região, como Evo Morales (Bolívia) e Fernando Lugo (Paraguai).

    Além disso, a ex-presidente brasileira aproveitou o seu pronunciamento para criticar as políticas do neoliberalismo implementadas na América Latina e a desigualdade no acesso às vacinas contra a COVID-19 no mundo, e para pedir maior interação da região com a China, e não apenas com a União Europeia (UE).

    Está acontecendo o 5º encontro do Grupo de Puebla com líderes de América Latina e Espanha, no qual participam Luis Inácio Lula da Silva [Brasil], Ernesto Samper [Colômbia], Rodríguez Zapatero [Espanha], e Dilma Rousseff [Brasil], entre outras e outros, e no qual foi mencionada a perseguição política contra Efraín Alegre [Paraguai].

    O Grupo de Puebla é um fórum político e acadêmico fundado em 2019 na cidade mexicana de Puebla e composto por representantes políticos de esquerda de mais de 15 países, entre os quais estão presidentes e ex-presidentes, cujo principal objetivo é articular ideias, modelos produtivos, programas de desenvolvimento e políticas de Estado progressistas.

    Mais:

    'Foi golpe': entrevista de Felipe Neto faz ressuscitar impeachment de Dilma no Twitter brasileiro
    Após ser comparada a Bolsonaro, Dilma diz que Teto de Gastos é atentado contra povo brasileiro
    Elite latino-americana não aceita ascensão dos pobres, diz Lula em mensagem ao Grupo Puebla
    Tags:
    COVID-19, relações internacionais, política, Brasil, Dilma Rousseff
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar