08:58 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Relatório de monitoramento da Cedae apontou a presença da substância em amostras coletadas na Estação do Guandu, no Rio de Janeiro. 

    No início do ano passado, a geosmina foi identificada na água distribuída para vários bairros da capital e algumas cidades da região metropolitana. A substância altera o gosto e a coloração da água, sem oferecer problemas para a saúde.

    Durante semanas os cariocas optaram por comprar água de mercados e deixaram de consumir o produto fornecido pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). 

    As amostras de água do Guandu foram coletadas por meio de laboratórios terceirizados, segundo reportagem do jornal O Globo. As análises detectaram presença de geosmina - composto orgânico produzido pela bactéria Streptomyces coelicolor, e de MIB, material semelhante e que também provocaria alteração no gosto e sabor da água. 

    Cedae nega risco de crise

    A concentração das substâncias aumentou a partir do dia 11 de janeiro, segundo o relatório. A quantidade, no entanto, é menor do que a registrada na crise do ano passado

    Em 11 de janeiro, os índices observados foram de 0,062 no ponto de captação da água e de 0,023 na saída de tratamento. Em 26 de janeiro de 2020, o índice de geosmina/MIB chegou a 1,5 no ponto de captação e de 0,82 na saída de tratamento.

    O índice limite da Cedae é seis, mas, mesmo assim, na semana passada a companhia adotou o protocolo emergencial e fechou o sistema Guandu por dez horas, o que ajudou a escoar a água. 

    Mais:

    Congresso aprova abertura do saneamento básico à iniciativa privada no Brasil
    Nova lei do saneamento é 'luz no fim do túnel', diz professor da UERJ
    Geosmina é substância que mais estimula proliferação de Aedes aegypti, diz estudo
    Tags:
    recursos hídricos, poluição, abastecimento, água, Cedae, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar