05:09 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    358
    Nos siga no

    Ao criticar as medidas de isolamento para combater o coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (28) que a "política de fechar tudo e ficar em casa não deu certo". 

    O presidente é contra medidas restritivas à circulação da população desde o início da pandemia. O isolamento é recomendado por especialistas e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para ajudar a diminuir a disseminação da COVID-19. 

    Segundo o presidente, tirando idosos e pessoas com comorbidades, o "resto tem que trabalhar". 

    "A política de fechar tudo e ficar em casa não deu certo. O povo brasileiro é forte, o povo brasileiro não tem medo do perigo. Nós sabemos quem é que são os vulneráveis: os mais idosos e os com comorbidade. O resto tem que trabalhar", afirmou Bolsonaro, segundo o portal UOL. 

    A declaração foi feita durante cerimônia de inauguração de uma ponte sobre o Rio São Francisco, na BR-101, entre Alagoas e Sergipe.

    Brasil ultrapassa 220 mil mortos pela COVID-19

    Na quarta-feira (27), foram registradas mais 1.283 mortes pela COVID-19 no Brasil, fazendo total de óbitos pela doença chegar a 220.161. Além disso, foram contabilizados 63.520 novos casos do coronavírus. Total de pessoas já infectadas é de 8.996.876. 

    Após a curva da COVID-19 ter caído no ano passado, nos últimos meses os números de casos e mortes aumentaram e se mantêm em patamar elevado. Em função disso, muitos especialistas voltaram a recomendar medidas de isolamento mais rígidas. 

    "O apelo que faço é para que reformulem essa política e entendam que isolamento, lockdown e confinamento nos leva para miséria. A economia anda de mãos dadas com a vida. Vida sem recursos e empregos torna-se muito difícil", disse o presidente. 

    "Meu pai sempre me ensinou: se coloque no lugar das outras pessoas antes de tomar uma decisão. Se eu fosse um dos muitos de vocês que fosse obrigado a ficar em casa, ver a esposa com três, quatro filhos, e não ter, como chefe do lar, como levar comida para casa, eu me envergonharia. Assim sendo, o apelo que eu faço a todos do Brasil: reformulem essa política", acrescentou. 

    Elogio ao programa de vacinação

    Em seu discurso, Bolsonaro comentou sobre o plano de imunização no Brasil, elogiando a postura do governo. Segundo Bolsonaro, ele sempre se comprometeu a comprar qualquer vacina aprovada pela Anvisa. 

    "A Europa e países da América do Sul não têm vacina e sabemos que a procura é grande. Assinamos convênios, fizemos contratos e compromissos desde setembro do ano passado com vários laboratórios. Vacinas começaram a chegar e vão chegar para toda população em curto período de tempo", disse o chefe de Estado. 

    Bolsonaro criticou por várias vezes a qualidade e eficácia da vacina chinesa CoronaVac. Ele afirmou, por exemplo, que os brasileiros não seriam "cobaias" e, em outubro, após o Ministério da Saúde ter anunciado acordo para aquisição do imunizante, disse que o governo não compraria a vacina. 

    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Interior do Amazonas pode ficar sem oxigênio, alerta governo estadual
    EUA confirmam 2 casos da variante do novo coronavírus que surgiu na África do Sul
    Governo brasileiro investiga mortes de 9 crianças yanomamis com suspeita de COVID-19
    Tags:
    Vacina CoronaVac, vacina, OMS, quarentena, isolamento, Jair Bolsonaro, COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar