07:15 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    113
    Nos siga no

    O Ministério da Educação no Brasil segue sendo alvo de polêmicas em meio ao Enem. Nesta quinta-feira (28), o Inep mudou o gabarito da prova que dizia que a mulher negra que não quer alisar o cabelo tem argumentos "imaturos".

    Após diversas polêmicas que anteciparam a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 pelo Brasil, o gabarito oficial da prova, divulgado ontem (27), foi alterado nesta quinta-feira (28) após dois erros que causaram revolta nas redes sociais.

    Após ser acusado de racismo na Internet, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que organiza a prova, reconheceu seu erro e corrigiu o gabarito, escreve o portal G1.

    ​Um deles apontava como correta uma alternativa que dizia que a mulher negra que não quer alisar seu cabelo tem argumentos "imaturos"; no outro, dizia-se que o Google associava nomes de pessoas negras a fichas criminais por causa da "linguagem", não do "preconceito".

    A União Nacional dos Estudantes (UNE) comentou o assunto em suas redes sociais.

    ​A União dos Estudantes Secundaristas também se pronunciou sobre a polêmica.

    ​Na prova de Inglês, uma questão trazia um trecho do romance "Americanah", da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. Na cena retratada na passagem, a cliente recusa a oferta da cabeleireira de alisar seu cabelo e opta pelas madeixas naturais.

    No primeiro gabarito dado pelo Inep, o posicionamento da cliente era marcado por argumentos que "demonstram uma postura de imaturidade". Agora, na nova versão, a alternativa correta é "revelam uma atitude e resistência".

    Em outra questão, sobre o processo de contratação em empregos, é apontada a discriminação feita por inteligências artificiais, que exclui candidatos pela origem racial, baseando-se no sobrenome e local de nascimento. Na primeira versão do gabarito, as tecnologias de informação eram vinculadas à linguagem. Na nova, estão ligadas ao preconceito.

    Prova do Enem Prova do ENEM na Unicsul, em São Miguel Paulista, onde mais de 8 mil candidatos eram esperados para o exame. Candidata faz prova em uma das salas da Unicsul
    © Folhapress / Juca Varella
    Prova do Enem Prova do ENEM na Unicsul, em São Miguel Paulista, onde mais de 8 mil candidatos eram esperados para o exame. Candidata faz prova em uma das salas da Unicsul

    Mais:

    Justiça Federal suspende provas do Enem no Amazonas
    Apesar de tentativas de adiamento, chega 1º dia do Enem 2020
    Com abstenção recorde de 51,5%, ministro da Educação considera Enem um 'sucesso'
    Tags:
    polêmica, provas, racismo, Brasil, ENEM
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar