19:52 19 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    113
    Nos siga no

    Em participação on-line no Fórum Econômico Mundial de Davos, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, defendeu que investimentos privados são "cruciais" para o desenvolvimento sustentável e a proteção da Amazônia.

    Nesta quarta-feira (27), ao participar de um dos mais importantes seminários internacionais sobre economia, Mourão convocou empresas e investidores interessados na região amazônica a participar da elaboração de novos projetos para a região.

    Para Mourão, pesquisas e projetos científicos precisam ser liderados pela iniciativa privada, uma vez que os governos, sobretudo no cenário pós-pandemia, não terão margem disponível para direcionar grandes somas para estes tipos de atividades, escreve a Rádio França Internacional.

    "Embora o interesse no status da Amazônia tenha crescido de maneira acentuada, o mesmo não pode ser dito da cooperação financeira e técnica na região, o que nos fez falta diante das atuais necessidades", afirmou o vice-presidente do Brasil durante o painel "Financiando a transição da Amazônia para uma bioeconomia sustentável".

    ​Mourão destacou que o governo não tem medido esforços para conter incêndios criminosos e o desmatamento. Ele disse que o país está negociando com os governos da Noruega e da Alemanha a retomada dos aportes de recursos ao Fundo da Amazônia, congelados ainda no início do governo de Jair Bolsonaro.

    Ao fim de seu discurso, Hamilton Mourão destacou que o governo quer trabalhar com todos os parceiros interessados na preservação e no desenvolvimento da floresta em projetos que tragam segurança e oportunidades. Segundo ele, o futuro da Amazônia depende da expansão da bioeconomia. "E isso só vai se tornar realidade com a participação do setor privado", concluiu.

    Pedaços de troncos de árvores da Amazônia derrubadas ilegalmente na reserva Renascer, no Pará
    © AP Photo / Leo Correa
    Pedaços de troncos de árvores da Amazônia derrubadas ilegalmente na reserva Renascer, no Pará

    A participação da ministra Tereza Cristina

    Tratando-se de Amazônia, o agronegócio brasileiro foi defendido e representado pela ministra Tereza Cristina. Em outro painel, sobre segurança alimentar, a ministra da Agricultura admitiu que o setor do agronegócio brasileiro precisa se inserir depressa no contexto da transformação digital da economia.

    "Inovação é imprescindível para adequar a agropecuária à realidade global. É a única maneira de conciliar segurança alimentar com a preservação ambiental", afirmou.

    A ministra afirmou ainda que o agronegócio brasileiro tem um dos ambientes "mais vibrantes" do mundo, e salientou a atuação das mais de duas mil agritechs, como são chamadas as startups do setor, que buscam opções sustentáveis para o crescimento da agropecuária.

    Presidente Jair Bolsonaro e a ministra da Agricultura Tereza Cristina durante cerimônia em Brasília
    © Folhapress / Frederico Brasil / Futura Press
    Presidente Jair Bolsonaro e a ministra da Agricultura Tereza Cristina durante cerimônia em Brasília

    Mais:

    Fundo Amazônia: 'Maior desafio é recompor a imagem do Brasil na Noruega', diz analista
    Desmatamento da Amazônia em novembro bate recorde do mês nos últimos 10 anos
    Ambientalista: presença ruralista no Parlamento Amazônico é motivo de 'grande preocupação'
    Tags:
    Brasil, Fórum Davos, Fórum Econômico de Davos, Amazônia Legal, Fundo Amazônia, Amazônia, desmatamento, queimadas, Antonio Hamilton Mourão, Ministério da Agricultura do Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar