05:08 06 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    6124
    Nos siga no

    Em entrevista a um jornal da França, o líder Kayapó, Raoni Metuktire, personalidade conhecida pela defensa da Amazônia, acusou o presidente brasileiro de perseguir os povos indígenas, destruir seu habitat e de ignorar seus direitos.

    Em entrevista publicada neste sábado (23) pelo Le Monde, o cacique Raoni falou sobre o novo apelo feito ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigar Jair Bolsonaro por crimes contra a humanidade.

    Segundo a imprensa francesa, "o chefe indígena se lança em uma aventura judiciária inédita, audaciosa e arriscada: denunciar Jair Bolsonaro ao Tribunal Penal Internacional". O pedido de investigação foi feito à instituição sediada em Haia na sexta-feira (22). 

    A matéria afirma que Raoni está consciente de que a denúncia pode provocar a fúria de quem apoia o presidente brasileiro, latifundiários e garimpeiros, "todos próximos de territórios indígenas", alertou.

    ​O chefe indígena explicou ao Le Monde que não tem outra escolha: "Bolsonaro sempre incitou a violência contra nós. Eu não posso aceitar a maneira como ele nos trata". 

    Raoni falou sobre sua preocupação com a política ambiental adotada pelo governo brasileiro, que permite, segundo ele, eliminar todos os obstáculos para saquear as riquezas da Amazônia. "Não gosto de brigas e não quero ter conflito com chefes brancos. Mas o problema é que Bolsonaro ataca demais os indígenas". 

    O jornal relembrou que, em 2019, 256 invasões de terras indígenas foram registradas no Brasil, um aumento de 135% em relação ao ano anterior. Nestas áreas, nove pessoas foram assassinadas, entre elas, sete caciques.

    Acusação em Haia

    O documento de 65 páginas enviado ao TPI foi redigido pelo advogado francês William Bourdon. Ele reúne as acusações feitas por Raoni, e também por dezenas de ONGs locais e internacionais, além de cientistas especialistas de questões climáticas. 

    Entre as acusações apresentadas ao TPI estão a suspensão da demarcação de territórios indígenas, o projeto de lei que permite a mineração e a exploração agrícola em áreas protegidas, os orçamentos limitados das agências ambientais, agora controlados pelos militares, os assassinatos impunes de sete chefes indígenas em 2019, entre outros. 

    O líder do povo Kayapó, Raoni Metuktire.
    © AP Photo / Vianney Le Caer
    O líder do povo Kayapó, Raoni Metuktire.

    Mais:

    'Total descontrole': relatório aponta avanço de 250% da COVID-19 entre indígenas
    Polícia Federal realiza operação contra garimpo em área indígena em Roraima
    Pelo 6º ano seguido, terra indígena de Cachoeira Seca tem alta no desmatamento
    Tags:
    Tribunal Penal Internacional (TPI), Amazônia, desmatamento, indígenas, povos indígenas, violência, Amazônia, Jair Bolsonaro, Bolsonaro, Cacique Raoni, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar