06:57 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    0 40
    Nos siga no

    Em resposta à sugestão feita pela prefeitura do Rio de Janeiro, o Instituto Butantan disse que não recomenda um espaçamento maior das doses da CoronaVac. 

    Segundo publicado pelo jornal O Globo, a entidade informou que a aplicação da segunda dose pode prejudicar a eficácia do imunizante. A proposta foi mencionada pelo secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, como estratégia para aumentar o número de pessoas vacinadas. 

    A campanha de imunização no Brasil começou logo após a aprovação pela Anvisa do uso emergencial das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. No entanto, ainda há poucas doses disponíveis e o ritmo tem sido lento e gradual. 

    De acordo com o Butantan, os desenvolvedores da CoronaVac, fabricada pelo laboratório chinês Sinovac, não recomendam o espaçamento entre as doses. O estudo clínico para avaliar a eficácia do imunizante foi feito com intervalo de 14 a 28 dias entre as duas aplicações. Nesse período, a eficácia geral do imunizante, que abrange de assintomáticos a casos graves, é de 50,4%. Para casos graves, o índice é de 100%. Para casos leves, é de 78%. 

    Vacina de Oxford poderia ter intervalo maior

    O Butantan informou que não é possível saber como será a resposta imune dos indivíduos que demorarem mais tempo para tomar a segunda dose. Um intervalo maior pode ajudar o governo a adquirir mais lotes da vacina e conseguir imunizar mais pessoas. 

    Além disso, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) disse nesta quinta-feira (21) que não recomenda a prática do adiamento da segunda dose da Coronavac.

    Recentemente, a coordenadora dos ensaios clínicos da vacina de Oxford no Brasil, Sue Ann Costa Clemens, disse que um espaçamento maior entre as doses do imunizante pode aumentar a eficácia da vacina. O modelo tem sido usado em outros países que estão vacinando a população com a vacina. 

    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Alberto Fernández, presidente da Argentina, recebe 1ª dose da Sputnik V (FOTO, VÍDEO)
    Presidente do COI descarta adiar Jogos Olímpicos novamente: 'Não há plano B'
    OAB denuncia governo federal à OEA por atuação no combate à pandemia
    Tags:
    China, Vacina CoronaVac, Rio de Janeiro, Brasil, vacina, Instituto Butantan, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar