00:11 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)
    361
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro quer fazer uma chamada telefônica com o presidente da China, Xi Jinping, para pedir a liberação do insumo que é utilizado na fabricação das vacinas contra a COVID-19.

    Bolsonaro teria orientado que o Ministério de Relações Exteriores do Brasil tentasse realizar uma conversa com as autoridades em Pequim.

    As informações foram publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo, com base em depoimentos de interlocutores que acompanham as negociações.

    A tentativa da conversa entre Bolsonaro e Xi Jinping ocorre diante da análise, segundo o jornal, de que a relação do chanceler Ernesto Araújo com a embaixada da China em Brasília está desgastada.

    ​Embora tenha começado a campanha de imunização com a CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan, o Brasil corre o risco de ficar sem o insumo farmacêutico ativo (IFA), que vem da China, e é usado para a fabricação do imunizante.

    O atraso no envio dos insumos pode prejudicar o plano de vacinação da população brasileira.

    Além da CoronaVac, a vacina de Oxford/AstraZeneca, fabricada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também utiliza o mesmo tipo de insumo proveniente da China.

    Na terça-feira (19), a Fiocruz informou que a entrega das vacinas contra a COVID-19 vai atrasar de fevereiro para março.

    Tema:
    Brasil lidando contra COVID-19 no final de janeiro de 2021 (92)

    Mais:

    Bolsonaro diz que Força Aérea cumpriu missão de entregar vacinas no dia 'D-1'
    Com tráfico e milícia, intolerância religiosa reflete a política no Brasil, dizem pesquisadores
    Ganho bilionário: farmacêuticas chegam a valorizar mais de 1.000% no mercado de ações
    OMS iniciará em 22 de janeiro procedimento de pré-registro da Sputnik V, diz MRE russo
    Tags:
    imunizante, imunização, Vacina CoronaVac, vacinação, vacina, Xi Jinping, Jair Bolsonaro, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar