00:44 20 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    A Justiça do Rio de Janeiro aceitou a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) sobre o incêndio no centro de treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, e tornou réus os 11 denunciados, incluindo o então presidente do clube Eduardo Bandeira de Mello.

    O despacho foi assinado nesta terça-feira (19) pelo juiz Marcelo Laguna Duque Estrada, titular da 36ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ).

    "Recebo a denúncia. Expeçam-se mandados para citação e oferecimento de resposta no prazo de dez dias na forma do artigo 396 do Código de Processo Penal", escreveu.

    No dia 8 fevereiro de 2019, os contêineres estruturados para dormitórios de atletas das categorias de base do Flamengo pegaram fogo, e dez adolescentes morreram e três ficaram feridos. O incêndio completa dois anos no início do próximo mês. As informações foram publicadas pela Agência Brasil.

    O MPRJ lista diversas irregularidades cometidas pelos denunciados como descumprimento de normas técnicas e desobediência a sanções administrativas impostas pelas autoridades.

    Em 2019, a Polícia Civil chegou a indiciar oito pessoas por homicídio com dolo eventual e tentativa de homicídio. O MPRJ descartou a acusação de homicídio e os réus responderão por incêndio culposo qualificado pelos resultados de morte e lesão grave.

    As penas para o incêndio culposo qualificado podem variar de um ano e quatro meses a até seis anos.

    Mais:

    Lewandowski determina que Anvisa apresente informações sobre análise da vacina Sputnik V
    Bolsonaro diz que Força Aérea cumpriu missão de entregar vacinas no dia 'D-1'
    Pessoas morrem asfixiadas e o governo oferece remédio para verme e malária, lamenta infectologista
    Maia diz que não há obstáculo político para envio de insumos chineses das vacinas contra COVID-19
    Tags:
    morte, atletas, futebol, centro de treinamento, incêndio, Flamengo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar