02:53 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)
    1112
    Nos siga no

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou neste sábado (16) os detalhes da reunião marcada para este domingo (17) que tem como objetivo avaliar os pedidos de uso emergencial das vacinas contra a COVID-19 no Brasil.

    Marcada para iniciar às 10h, a reunião contará com a presença de cinco integrantes da diretoria colegiada do órgão, responsáveis por tomar a decisão, e deve durar pelo menos cinco horas.

    ​Neste domingo (17), os diretores vão analisar os pedidos para uso de duas vacinas contra a COVID-19 que foram testadas no Brasil: a CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, e o imunizante da Fiocruz, desenvolvida pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca.

    A reunião será transmitida ao vivo pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e pelo canal da Anvisa no YouTube.

    Ao todo, 50 profissionais da agência estão envolvidos diretamente nas análises das vacinas.

    Governador de São Paulo, João Doria (à esquerda), e diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas (à direita), mostram dose da vacina CoronaVac, São Paulo, 9 de novembro de 2020
    © AP Photo / Andre Penner
    Governador de São Paulo, João Doria (à esquerda), e diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas (à direita), mostram dose da vacina CoronaVac, São Paulo, 9 de novembro de 2020

    A decisão da diretoria é feita por maioria simples, ou seja, de cinco diretores, três votos a favor ou contra definem o resultado.

    Três áreas técnicas vão fazer uma apresentação prévia: a área de medicamentos, que avalia os estudos clínicos e de eficácia e segurança; a área de certificação de Boas Práticas de Fabricação, que verifica se os locais de fabricação da vacina têm condições adequadas; e a área de monitoramento de eventos adversos, que fiscaliza e investiga depois da vacinação se as pessoas tiveram alguma reação à vacina.

    Doses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca
    © AP Photo / Gareth Fuller
    Doses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca

    Após as apresentações, a diretora Meiruze Freitas, relatora dos pedidos, lê o voto e os diretores se posicionam dizendo se aprovam ou não o uso emergencial dos imunizantes. Os dois pedidos de uso emergencial são analisados de forma independente.  

    Não há necessidade de publicação no Diário Oficial da União e a decisão passa a valer a partir do momento em que houver a comunicação oficial ao laboratório.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)

    Mais:

    Perfeita para América Latina: criada vacina única contra COVID-19 e febre amarela
    Pacientes de Manaus com COVID-19 começam a ser transferidos para outros estados
    Mundo chega a 2 milhões de mortes por COVID-19, diz universidade
    'COVID-19 tá mais lá embaixo': Bolsonaro diz que isolamento matou mais que coronavírus
    Ministério da Justiça brasileiro inicia ação de combate à pirataria de vacinas contra COVID-19
    Tags:
    Universidade de Oxford, imunizante, imunização, imunidade, Vacina CoronaVac, vacinação, vacina, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar