08:04 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)
    0 51
    Nos siga no

    A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, deu início neste sábado (16) a um programa de combate à venda de vacinas falsificadas contra a COVID-19 no Brasil.

    A denúncia da existência de uma rede de comercialização de supostas vacinas contra o novo coronavírus foi comunicada pelo Procon de São Paulo.

    "Avaliamos a urgência do tema e acionamos a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e as outras pastas para estabelecer estratégia conjunta para garantia à saúde e à segurança dos consumidores brasileiros", disse Guilherme Vargas, secretário executivo do Comitê Nacional de Combate à Pirataria.

    Está prevista a atuação conjunta dos órgãos, que vão envolver ações de fiscalização e de repressão contra a venda ilegal de vacinas falsas contra COVID-19 no país.

    Os integrantes do programa também estudam a criação de campanhas de conscientização dos consumidores e veiculação de alertas nas mídias sobre os riscos de se comprar vacinas falsificadas. As informações foram publicadas pela Agência Brasil.

    "A comercialização de vacinas falsificadas expõe um enorme risco à saúde e à segurança do consumidor, pois são produtos fraudulentos e sem qualquer eficácia comprovada. As autoridades sanitárias ainda não liberaram a comercialização de vacinas no Brasil, o que demonstra que sites que oferecem o produto podem estar tentando captar dados pessoais e bancários dos consumidores", afirmou Juliana Domingues, presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria.

    Segundo a Senacon, já foram identificadas tentativas de comercialização de produtos falsificados em todas as regiões do Brasil.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)

    Mais:

    Paraguai registra vacina russa Sputnik V contra COVID-19, segundo RFPI
    Pacientes de Manaus com COVID-19 começam a ser transferidos para outros estados
    Mundo chega a 2 milhões de mortes por COVID-19, diz universidade
    Quais podem ser os efeitos da demora para a vacinação da população brasileira contra a COVID-19?
    'COVID-19 tá mais lá embaixo': Bolsonaro diz que isolamento matou mais que coronavírus
    Tags:
    Procon, Ministério da Justiça do Brasil, pandemia, novo coronavírus, vacinação, vacina, pirataria, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar