09:02 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)
    326
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (15), o Ministério da Saúde enviou um ofício ao Instituto Butantan pedindo a "entrega imediata" de seis milhões de doses da CoronaVac.

    O ofício é assinado por Roberto Ferreira dias, diretor do Departamento de Logística em Saúde do Ministério, e endereçado a Dimas Covas, que dirige o Butantan. Conforme publicado pelo portal G1, o ofício especifica o requerimento de seis milhões de doses importadas que vêm sendo enviadas ao Butantan pelo laboratório chinês Sinovac desde dezembro de 2020.

    "Ressaltamos a urgência na imediata entrega do quantitativo contratado e acima mencionado, tendo em vista que este ministério precisa fazer o devido loteamento para iniciar a logística de distribuição para todos os estados da federação de maneira simultânea e equitativa, conforme cronograma previsto no Plano Nacional de Operacionalização da vacinação contra a COVID-19", diz o ofício, ainda segundo a publicação.

    O Ministério da Saúde recorda no texto que no domingo (17) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisará os pedidos de autorização para uso emergencial tanto da CoronaVac, quanto da vacina da AstraZeneca/Oxford.

    A CoronaVac é uma vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, com sede em São Paulo. Ao longo da pandemia o imunizante tem sido protagonista de uma disputa política entre o governo do presidente Jair Bolsonaro e o governador paulista João Doria, o que chegou a afetar a confiança popular no imunizante. Em mais de uma oportunidade, Bolsonaro deu declarações contra a vacina do Butantan. 

    Simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro realizam ato contra a vacina chinesa CoronaVac e contra o governador João Doria em São Paulo
    Simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro realizam ato contra a vacina chinesa CoronaVac e contra o governador João Doria em São Paulo

    A principal aposta de Bolsonaro foi em um acordo pela vacina da farmacêutica AstraZeneca, desenvolvida junto à Universidade de Oxford em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Dois milhões de doses da vacina, de um total de oito milhões, serão importadas nos próximos dias do laboratório indiano Serum. O presidente brasileiro, porém, já disse que não tomará a vacina.

    Caos no Amazonas

    O ofício do Ministério da Saúde enviado ao Butantan vem no dia seguinte ao colapso do sistema de saúde de Manaus, uma das principais capitais brasileiras. Cenas de desespero de profissionais de saúde e cidadãos diante do fim do estoque de oxigênio hospitalar circularam nas redes sociais durante a quinta-feira (14). O Amazonas vive um pico de letalidade da COVID-19 e o governo estadual decretou o fechamento do comércio e toque de recolher.

    Ambulância posicionada para a recepção de pacientes diagnosticados com Covid-19, transferidos da cidade de Manaus, no Amazonas, durante desembarque em avião da FAB (Força Aérea Brasileira) no aeroporto Senador Petrônio Portella, na cidade de Teresina, nesta sexta-feira (15).
    © Folhapress / Agif/Folhapress
    Paciente com COVID-19 chega a Teresina (PI), após ser transferida de Manaus (AM), cidade que enfrenta colapso no sistema de saúde

    O aumento de casos da doença vem sendo registrado em todo o Brasil após o período de festas. Na quinta-feira (14), a média móvel de mortes no país chegou a 1.000 óbitos. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil registra mais de 207 mil mortes causadas pela doença.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)

    Mais:

    Venezuela se dispõe a levar oxigênio para pacientes com COVID-19 no Amazonas
    Testes da CoronaVac feitos no Brasil registraram eficácia de 50,38%, diz Butantan
    Baixa eficácia da CoronaVac ocorreu devido a 'grupo de alto risco', diz CEO da Sinovac
    Tags:
    Fiocruz, João Doria, Jair Bolsonaro, Brasil, Instituto Butantan, Universidade de Oxford, Vacina CoronaVac, Anvisa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar