07:57 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)
    291
    Nos siga no

    Nesta quinta-feira (14), o estado do Amazonas anunciou que o sistema de saúde local entrou em colapso devido à explosão de casos de COVID-19. Nas redes sociais, profissionais de saúde pedem socorro e denunciam a falta de insumos hospitalares básicos, como cilindros de oxigênio.

    Mais cedo nesta quinta-feira (14), diante da grave situação do sistema de saúde local, o governador do estado do Amazonas, Wilson Lima (PSC), decretou toque de recolher em Manaus e fechamento do comércio, deixando apenas as atividades essenciais de fora da medida.

    Nas redes sociais, profissionais de saúde e cidadãos amazonenses denunciam a precariedade da situação e pedem ajuda para adquirir cilindros de oxigênio, insumo esgotado na rede hospitalar manauara. O oxigênio é fundamental no tratamento de pacientes com COVID-19 e os relatos são de cada vez mais mortes em decorrência da falta do insumo - que afeta também diversos outros tipos de pacientes. As imagens que circulam são de dor e desespero.

    ​Alguns profissionais de saúde publicaram apelos para que cidadãos comuns que tenham cilindros de oxigênio em suas casas façam doações para os hospitais.

    ​Esta técnica de enfermagem denuncia que com a falta de oxigênio pacientes estão comprando o insumo por conta própria e mostra indignação com o descaso do poder público.

    ​Com o colapso do sistema de saúde, pacientes de COVID-19 do Amazonas estão sendo levados para outros estados para tentar desafogar os hospitais locais. Mais cedo, o governador Wilson Lima anunciou que as transferências estão sendo feitas para Goiás, Piauí, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e também para Brasília.

    A falta de oxigênio foi confirmada por organizações de profissionais de saúde locais. Neste vídeo, um médico fala da necessidade de uma operação de guerra para levar oxigênio para os hospitais.

    ​Este profissional de saúde também denuncia que mortes ocorreram pela falta de oxigênio no hospital em que trabalha.

    ​São fartos os registros de profissionais de saúde esgotados pelo trabalho excessivo e pela tragédia humana que atinge Manaus em meio a mais um pico de letalidade da COVID-19.

    Dentro de uma enfermaria lotada, esta mulher denuncia a situação de caos dentro de um hospital.

    O esgotamento do sistema de saúde também é visto nestas cenas que mostram pacientes sendo tratados em corredores.

    ​A escassez de oxigênio não é apenas em Manaus, segundo denuncia este homem em uma distribuidora do insumo.

    ​Até a quarta-feira (13), o estado do Amazonas registrava mais de 5,8 mil mortes por COVID-19. Segundo os dados do consórcio de veículos de imprensa, a situação tem piorado em Manaus desde o início do ano e a média móvel de mortes chegou a níveis semelhantes aos do pior momento da pandemia.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de janeiro de 2021 (97)

    Mais:

    Justiça Federal suspende provas do Enem no Amazonas
    Ministério da Saúde nega 2ª onda de COVID-19 em Manaus
    Imperial College: 76% da população de Manaus teve a COVID-19
    Tags:
    Brasil, COVID-19, Amazonas, Manaus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar