14:02 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse nesta terça-feira (12) que o Enem não será adiado, como pediram entidades estudantis em virtude do aumento de casos do coronavírus no Brasil. 

    Em entrevista para a CNN Brasil, ele disse que uma "minoria barulhenta" é que deseja a remarcação da prova. O exame está marcado para os dias 17 e 24 de janeiro. Uma versão digital está prevista para 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Os candidatos só puderam se candidatar a uma das modalidades.

    "Uma minoria, barulhenta, mas minoria. Neste ano, colocamos muito mais recursos para alugarmos mais salas, para haver o distanciamento preconizado pelas autoridades sanitárias", afirmou Ribeiro.

    A União Nacional dos Estudantes e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) pediram o adiamento da prova, assim como a Defensoria Pública da União. O tema também se tornou um dos destaques do Twitter, com muitos candidatos defendendo que a prova seja remarcada.

    "Não vamos adiar o Enem. Primeiro porque tomamos todos os cuidados de biossegurança possíveis. Queremos dar tranquilidade para você que vai fazer a prova, assim como aconteceu no domingo, em menor proporção, claro, no exame da Fuvest [exame de vestibular da USP]", disse o ministro. 

    O exame estava previsto inicialmente para novembro de 2020, mas foi adiado após pressão da sociedade e do Congresso. À época, o governo resistiu às mudanças. 

    'A vida continua'

    O diretor responsável pelo Enem no Inep, Carlos Roberto Pinto de Souza, que chefiava a pasta de Avaliação da Educação Básica do órgão, morreu nesta segunda-feira (11), aos 59 anos, vítima da COVID-19. Na entrevista, Ribeiro lamentou a morte e disse que que "a vida continua". 

    "Era uma pessoa muito dedicada, muito querida por todos nós. Ele estava internado há alguns dias e registramos isso com pesar. Quero registrar a morte de outro educador, o Antônio Veronezi, muito amigo meu, muito dedicado, que faleceu de COVID-19. Mas a vida continua, não podemos parar. Temos que seguir em frente", afirmou. 

    Para exigir o adiamento, as entidades estudantis alegam que os protocolos de segurança divulgados pelo Ministério da Educação não são suficientes para garantir a segurança sanitária da prova. O exame tem 5,7 milhões de inscritos. Ribeiro, por sua vez, defende a atuação da pasta

    "Neste ano, colocamos muito mais recursos para alugarmos mais salas, para haver o distanciamento preconizado pelas autoridades sanitárias", disse o ministro. "É bom eu aproveitar essa oportunidade para dizer que um semestre a menos, se perdermos o Enem, vai atrapalhar toda a programação de acesso dos estudantes às escolas federais e públicas", acrescentou. 

    Mais:

    Senado aprova texto-base para adiamento do Enem
    Postura do MEC com o Enem aprofunda desigualdade e pode impulsionar COVID-19, dizem entidades
    Diante de alta de casos da COVID-19, entidades estudantis pedem novo adiamento do Enem
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus, Ministério da Educação, educação, UBES, UNE, ENEM
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar