20:42 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    8253
    Nos siga no

    A invasão ao Capitólio dos Estados Unidos nesta quarta-feira (6) deve servir de alerta às autoridades brasileiras para que um episódio semelhante não ocorra no país, afirmou um cientista político à Sputnik Brasil.

    Na quinta-feira (7), em conversa com grupo de apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse que a falta de confiança nas eleições levou "a este problema que está acontecendo" nos Estados Unidos e que, no Brasil, "se tivermos voto eletrônico" em 2022, "vai ser a mesma coisa".

    Na quarta-feira (6), a sessão de certificação do resultado da eleição de novembro foi interrompida após apoiadores do presidente Donald Trump invadirem o Capitólio. O episódio deixou cinco mortos e vários manifestantes foram detidos.

    Para o cientista político, Paulo Silvino Ribeiro, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), a declaração de Bolsonaro é "infeliz" e "equivocada".

    "Nas entrelinhas ela está estimulando e provocando as pessoas que se sentem minimamente encorajadas a fazerem uma loucura como essa que aconteceu essa semana", afirmou.

    Chance de invasão ao Capitólio se repetir no Brasil 'é grande'

    Diversas autoridades brasileiras se manifestaram sobre a invasão do Capitólio dos EUA.

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou a situação como um ato de desespero. O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que o episódio merece "o repúdio e a desaprovação de todos os líderes com espírito público e responsabilidade".

    Apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobem pelas paredes do Capitólio dos EUA durante o protesto contra a certificação dos resultados das eleições presidenciais de 2020 pelo Congresso, Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Stephanie Keith
    Apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobem pelas paredes do Capitólio dos EUA durante o protesto contra a certificação dos resultados das eleições presidenciais de 2020 pelo Congresso, Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021

    Já o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que "apoiadores do fascismo mostraram sua verdadeira face: antidemocrática e truculenta".

    Além das condenações públicas feitas por líderes políticos brasileiros e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a avaliação feita por vários deles nos bastidores, conforme publicou o blog do jornalista Valdo Cruz no G1, é que a invasão ao Capitólio dos Estados Unidos é um sinal de alerta para o Brasil evitar que o mesmo aconteça aqui.

    Paulo Silvino Ribeiro disse que "todo país que tiver alguma manifestação de grupos que flertem com o autoritarismo corre o risco de ter um episódio como o que aconteceu nos Estados Unidos".

    "No caso brasileiro, para ser mais específico, acredito que a chance seja grande. Haja vista o número de manifestações absolutamente antidemocráticas, como a gente viu e tem visto. Nós vimos várias manifestações contra instituições democráticas, contra o próprio Supremo Tribunal Federal, contra o Congresso Nacional, essa chance infelizmente existe para qualquer democracia contemporânea", declarou.
    Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em 2016 e pedem por intervenção militar.
    © Foto / Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados
    Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em 2016 e pedem por intervenção militar.

    Em 2016, um grupo com cerca de 50 pessoas invadiu o plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília pedindo por intervenção militar. Houve tumulto e a sessão teve que ser suspensa e o local fechado.

    ​'Autoridades brasileiras precisam ser firmes'

    Ainda de acordo com o cientista político, as autoridades brasileiras fizeram bem em repudiar rapidamente a invasão ao Capitólio dos EUA.

    "As autoridades brasileiras precisam ser firmes, cumprirem a lei, defenderem a Constituição, e fazerem aquilo que reza a própria Carta Magna. Mais do que isso, elas precisam se fortalecer pela defesa da autonomia dos Poderes. As instituições não podem se constranger", disse.

    Declaração de Bolsonaro 'estimula situação de anomia social'

    Logo após a invasão do Capitólio dos EUA, Bolsonaro disse na quarta-feira (6) que é "muito ligado ao Trump".

    "Eu acompanhei tudo hoje. Vocês sabem que eu sou ligado ao Trump, né? Então vocês já sabem qual a minha resposta", afirmou o presidente.

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto.
    © AP Photo / Eraldo Peres
    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

    Para Paulo Silvino Ribeiro, as falas de Bolsonaro sobre a invasão do Capitólio não devem constranger as autoridades brasileiras, mas elas ajudam a criar uma divisão na sociedade que não é positiva para a democracia no país.

    "A minha preocupação não é com as instituições democráticas em si, claro elas precisam ser preservadas, a questão é a sociedade civil. Os discursos de ódio levam também ao discurso da negação da política e que vai, portanto, estimulando candidaturas como as que a gente viu em 2018", declarou.

    Segundo o cientista político, a declaração de Bolsonaro é "maléfica à democracia" e estimula a população a agir de maneira truculenta.

    "A gente precisa tirar o Bolsonaro dessa posição de algo jocoso porque ele não é só isso. O que ele fala é perigoso, o que ele fala é ruim, estimula uma situação de anomia social", afirmou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Brasil quebrou? Bolsonaro mente para não pagar auxílio e ameaçar instituições, dizem especialistas
    Piores índices de desmatamento na Amazônia registrados pelo Deter são do governo Bolsonaro
    Trump aceita derrota e condena invasão do Capitólio: 'Profanaram a democracia' (VÍDEO)
    Porta-voz da Câmara dos EUA planeja prosseguir com impeachment se Pence não remover Trump, diz CNN
    Trump jura dar 'voz' a seus apoiadores e declara que não vai assistir à posse de Biden
    Tags:
    protestos violentos, protesto, estímulo, invasão, manifestantes, Câmara dos Deputados, Capitólio dos EUA, Donald Trump, Jair Bolsonaro, Brasil, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar