03:02 26 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Coronavírus no Brasil no início de janeiro de 2021 (57)
    181
    Nos siga no

    Após o fracasso da compra de seringas e agulhas, o Brasil pode sofrer com a falta de insumos necessários para a vacinação em larga escala contra a COVID-19, segundo a análise de Jorge Kalil, professor titular de medicina da Universidade de São Paulo (USP) e diretor do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor).

    O Ministério da Economia anunciou nesta quarta-feira (7) a redução do imposto de importação de agulhas e seringas para uso na vacinação contra a COVID-19.

    A medida visa contornar o pregão eletrônico realizado na semana passada onde o governo brasileiro tentou adquirir 331 milhões de seringas, mas comprou apenas oito milhões.

    Segundo Jorge Kalil, a redução dos impostos adotada pelo Ministério da Economia é positiva, mas poderia ter sido feita antes.

    "O Brasil deveria ter acordado para a questão já em junho e julho. Deveriam ter comprado já estoques independente de ter a vacina. Agora existe uma sobrecarga de demanda há muito tempo, a indústria brasileira pode, sem dúvida, suprir parte dessa demanda, o resto teremos que buscar no exterior", disse à Sputnik Brasil.

    De acordo com o ministério, a alíquota para importação desses produtos era de 16%. A redução a zero vale até junho.

    Mesmo com a decisão, Jorge Kalil comentou que o Brasil ainda pode enfrentar dificuldades para comprar os insumos no exterior.

    "Não sei se haverá ainda disponibilizado no exterior porque o mundo todo compra. Nós temos que ver o mercado como é que está. [A redução da alíquota] sem dúvida poderá ajudar à importação, mas ela não significa que teremos com certeza os insumos", declarou.

    Pela decisão, tomada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), seringas e agulhas passaram a integrar a lista de produtos com reduções tarifárias temporárias com o objetivo de facilitar o combate à pandemia da COVID-19.

    Sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em Brasília.
    © Folhapress / Claudio Reis/FramePhoto
    Sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em Brasília.

    O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quarta-feira (6) que o Brasil está pronto para começar a vacinação contra a COVID-19 em janeiro, e informou que o país tem 60 milhões de seringas e agulhas disponíveis nos estados e municípios.

    Para Jorge Kalil, a alta demanda pelos insumos necessários para a vacinação contra COVID-19 pode gerar falta de abastecimento durante o processo de imunização.

    "Eu não acredito que o mundo todo esteja com todas as suas fábricas em super produção para suprir a demanda por todos os insumos de vacinação. Como é uma pandemia, não é algo esperado, e nós teremos que imunizar oito bilhões de pessoas no mundo, é possível sim, que faltem insumos", alertou.

    Segundo o especialista, as empresas não podem moldar a produção dos produtos de acordo com o pico da demanda. Há que se calcular uma média na hora de verificar a quantidade que será fabricada. Porém, neste momento da pandemia essa média está muito abaixo da necessidade por esses insumos.

    "Temos que ver o que existe disponível no mundo, e esse estudo já deveria ter sido feito há muito tempo", disse Kalil.

    No início da pandemia, a indústria de insumos hospitalares viu a demanda por luvas, máscaras e respiradores disparar. A situação fez com que o Brasil registrasse atrasos nas entregas desses equipamentos.

    Funcionário do Instituto Butantan trabalha na produção da vacina CoronaVac
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Funcionário do Instituto Butantan trabalha na produção da vacina CoronaVac

    Para Jorge Kalil, o país corre o risco de observar uma situação similar agora com seringas e agulhas durante o processo de vacinação contra o novo coronavírus.

    "Espera-se que as empresas consigam aumentar e muito a produção em termos mundiais. É possível que haja uma corrida para a compra desses insumos, assim como houve para respiradores e outros aparelhos médicos que foram necessários já na primeira fase da pandemia", disse.

    As companhias se queixaram que os preços disponibilizados no pregão eletrônico do governo federal estavam abaixo dos praticados normalmente.

    "Houve um aumento do custo de produção porque durante esse ano houve a desvalorização do real em relação ao dólar e, como muitos desses insumos são cotados internacionalmente, os preços de produção devem ter aumentado", explicou Jorge Kalil.

    Nesta quinta-feira (7), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu o primeiro pedido de uso emergencial de uma vacina no Brasil.

    A solicitação feita pelo Instituto Butantan pediu a autorização para uso emergencial para a vacina CoronaVac, fabricada pela farmacêutica Sinovac em parceria com o instituto.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de janeiro de 2021 (57)

    Mais:

    Prefeitura de Manaus determina 'estado de emergência' em meio ao aumento de casos de COVID-19
    Virologista revela principal ameaça da cepa nigeriana da COVID-19
    COVID-19: Brasil registra 1.266 mortes nas últimas 24h
    Estudo feito no Brasil aponta que vacina CoronaVac tem eficácia de 78% contra COVID-19, diz jornal
    Diante de alta de casos da COVID-19, entidades estudantis pedem novo adiamento do Enem
    Tags:
    imunizante, imunização, imunidade, pregão, novo coronavírus, Vacina CoronaVac, vacinação, vacina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar