08:29 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de janeiro de 2021 (57)
    4410
    Nos siga no

    A eficácia da vacina russa é de 91,4%, segundo resultados da análise do terceiro e último ponto de controle dos dados dos ensaios clínicos de fase III, obtidos 21 dias após a administração da primeira dose a voluntários.

    A farmacêutica brasileira União Química afirmou na terça-feira (6) que vai entrar com pedido de uso emergencial da vacina russa contra a COVID-19, a Sputnik V, junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em meados de fevereiro. O presidente da companhia, Fernando de Castro Marques, disse que caso aprovada, o laboratório brasileiro poderá oferecer o imunizante no país já no próximo mês.

    "A produção deve ser iniciada até a segunda quinzena de janeiro. O banco de células já chegou ao país. Com isso, podemos dar início a fabricação da vacina", garantiu Marques ao jornal Valor Econômico.

    O executivo destacou à mídia que uma delegação da União Química, com sete membros, embarca para Moscou, Rússia no sábado (9) para tratar da ampliação dos estudos clínicos da vacina no Brasil e dos processos produtivos. E com isso iniciar o pedido de registro permanente do imunizante.

    Vacinação contra COVID-19 na Argentina com a vacina russa Sputnik V
    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Vacinação contra COVID-19 na Argentina com a vacina russa Sputnik V

    A ideia da União Química é que a produção da vacina aconteça paralelamente à realização da fase III de testes clínicos no Brasil. A Sputnik V vai ser produzida na unidade de biotecnologia da União Química, a Bthek, em Brasília. Quando estiver operando em plena capacidade, a fábrica poderá produzir oito milhões de doses do imunizante por mês.

    Bolívia, Argentina, Sérvia e Bielorrússia já aprovaram os ensaios clínicos de fase III obtidos na Rússia para registrar a Sputnik V e iniciar suas campanhas de vacinação.

    A eficácia da vacina russa contra a COVID-19 é de 91,4%, segundo os resultados da análise do terceiro e último ponto de controle dos dados dos ensaios clínicos de fase III russos, obtidos 21 dias após a administração da primeira dose a voluntários. O cálculo foi baseado na análise de dados de voluntários (n = 22.714) que receberam a primeira e a segunda doses da vacina ou placebo no último ponto de controle de 78 casos confirmados de acordo com o protocolo dos ensaios clínicos de fase III. A Sputnik V demonstrou eficácia de 100% contra casos graves da COVID-19.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de janeiro de 2021 (57)

    Mais:

    Ministro da Saúde da Alemanha diz que país terá vacinas suficientes para todos
    Argentina perde 400 vacinas russas contra COVID-19 devido a falha no sistema de refrigeração
    Bolívia registra a vacina russa Sputnik V
    União Europeia aprova vacina da Moderna, 2ª a ser liberada para os países do bloco
    Tags:
    Rússia, Sputnik V, Brasil, novo coronavírus, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar