18:38 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    125912
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro foi eleito como a pessoa corrupta do ano de 2020 pelo Projeto de Reportagem sobre Corrupção e Crime Organizado (OCCRP, na sigla em inglês), um consórcio global de jornalistas investigativos.

    O "prêmio", cujo nome completo é "a pessoa do ano no crime organizado e na corrupção", foi anunciado nesta quarta-feira (30), e a escolha do vencedor foi feita após votação de um conselho de profissionais que cobrem o tema.

    Segundo a OCCRP, Bolsonaro bateu "por pouco" outros dois finalistas da votação: Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, e Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia. Atrás dos outros candidatos na votação, o oligarca ucraniano Igor Kolomoisky completou a lista dos finalistas.

    A OCCRP diz que Bolsonaro foi eleito "por seu papel em promover o crime organizado e a corrupção".

    "Eleito após o escândalo da Lava Jato como um candidato anticorrupção, Bolsonaro se cercou de figuras corruptas, utilizou a propaganda para promover sua agenda populista, atacou o sistema judiciário e travou uma guerra destrutiva contra a região Amazônica, que enriqueceu alguns dos piores donos de terra do país", diz o anúncio do "prêmio", como justificativa pela escolha de Bolsonaro.

    O consórcio lista ainda diversos casos de corrupção envolvendo Bolsonaro, como a "arrecadação de salários para funcionários fantasmas", ou seja, o escândalo das rachadinhas, citando inclusive Carlos Bolsonaro e a ex-mulher do presidente, Rogéria Bolsonaro.

    A OCCRP cita ainda as acusações contra Flávio Bolsonaro, como de lavagem de dinheiro e de associação com a milícia, "que invadiu violentamente áreas do Rio de Janeiro por meio de violência e execuções sumárias, incluindo o assassinato de uma vereadora LGBT negra do Rio", referindo-se a Marielle Franco.

    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, celebra gol durante partida de futebol da campanha Natal sem Fome, Santos, Brasil, 28 de dezembro de 2020
    © AFP 2021 / Miguel Schincariol
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, celebra gol durante partida de futebol da campanha Natal sem Fome, Santos, Brasil, 28 de dezembro de 2020

    A tentativa de minar as investigações sobre Flávio Bolsonaro e a propagação de fake news também foram lembradas, assim como a prisão de Marcelo Crivella, "amigo e aliado" do presidente.

    Os jurados do "prêmio" destacaram ainda a condução da política ambiental do governo federal do Brasil, especialmente em relação à Amazônia. 

    "A contínua destruição da Amazônia está ocorrendo por causa de escolhas políticas corruptas feitas por Bolsonaro. Ele encorajou e alimentou incêndios devastadores. Bolsonaro fez campanha com o compromisso explícito de explorar - ou seja, destruir - a Amazônia, que é vital para o meio ambiente global", disse um dos jurados, Rawan Damen, diretor do consórcio Repórteres Árabes de Jornalismo Investigativo.

    O governo Bolsonaro é muito criticado pela comunidade internacional por sua política ambiental, e já recebeu alertas de chefes de Estado sobre a preservação do meio ambiente, como de Emmanuel Macron, presidente da França, e de Joe Biden, vencedor das eleições nos Estados Unidos. Recentemente, o Brasil ficou de fora de uma Cúpula do Clima das Nações Unidas, por não ter adotado metas ambientais ambiciosas o suficiente para participar do evento.

    Mais:

    Governo Bolsonaro termina 2020 com popularidade em alta, diz pesquisa
    Bolsonaro afirma que governo chegou a acordo sobre venda da Cedae
    'Não dou bola para isso', diz Bolsonaro sobre Brasil ainda não ter vacinação contra COVID-19
    Laboratórios é que têm que buscar registro na Anvisa, diz Bolsonaro
    'Bolsonaro não tem dimensão humana', diz Maia após comentário sobre tortura de Dilma
    Tags:
    prêmio, jornalista, internacional, Carlos Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Brasil, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar