16:29 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)
    123
    Nos siga no

    Para evitar um colapso nas contas públicas, o estado do Rio de Janeiro ingressou nesta quarta-feira (23) com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar o bloqueio de R$ 7,4 bilhões.

    O montante pode ser bloqueado nas próximas semanas por conta da exclusão do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e da execução das contragarantias da dívida de R$ 4,5 bilhões com o banco francês BNP Paribas.

    Segundo o governo do Rio, a decisão de judicializar o caso foi tomada "após exaustivas tentativas do governo estadual em resolver os dois temas de forma técnica e por meio de diálogo com a Secretaria do Tesouro Nacional (STN)".

    Nesta segunda-feira (21), a STN enviou um ofício ao governo do Rio de Janeiro cobrando as dívidas. O órgão entende que o RRF acabou no dia 5 de setembro, quando se completaram três anos desde que o estado aderiu ao plano. As informações foram publicadas pelo jornal O Estado de S.Paulo.

    O governo do Rio de Janeiro, por outro lado, argumenta que o RRF deveria se encerrar somente em 2023.

    De acordo com o governo do estado, a exclusão do Regime de Recuperação Fiscal ou a execução da contragarantia de operação de crédito do BNP, "afetará de forma direta o combate ao novo coronavírus e o pagamento em dia de servidores públicos e fornecedores".

    Tema:
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)

    Mais:

    Heleno diz ao STF que Abin não orientou defesa de Flávio Bolsonaro no 'caso das rachadinhas'
    Após STF barrar recondução de Maia, como fica a disputa pela presidência da Câmara?
    STF decide que vacina será obrigatória: quem se recusar a tomar pode sofrer medidas restritivas
    STF pede prisão preventiva de blogueiro bolsonarista
    Tags:
    COVID-19, dívida, ação, colapso, Supremo Tribunal Federal (STF), contas públicas, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar