07:41 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)
    150
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (23), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados da pesquisa Pnad COVID-19, que apontam números recordes do desemprego no Brasil e queda no isolamento social.

    Conforme os dados do IBGE, o Brasil tem hoje 14 milhões de brasileiros desempregados, com a taxa de ocupação alcançando 14,2% da população – a maior desde maio na pesquisa Pnad COVID-19, que mensura os efeitos da pandemia no país.

    Na comparação entre os números de maio e novembro houve um acréscimo de quatro milhões de desempregados no Brasil, o que representa um aumento de cerca de 40%. A taxa de novembro é recorde, apesar de ter avançado pouco em relação ao mês anterior, quando a desocupação registrada foi de 14,1%.

    O IBGE também aponta que houve queda no isolamento social no Brasil, sendo que em novembro 23,5 milhões de brasileiros estariam sob isolamento social rigoroso. No mês anterior a taxa era de 26,2 milhões. Em maio, os números alcançavam 49,2 milhões de brasileiros.

    Em Santos, litoral do estado de São Paulo, pessoas transitam de máscara em meio à pandemia da COVID-19 no Brasil, em 16 de agosto de 2020
    © Folhapress / Fernanda Luz / Agif
    Em Santos, litoral do estado de São Paulo, pessoas transitam de máscara em meio à pandemia da COVID-19 no Brasil, em 16 de agosto de 2020

    A Pnad COVID-19 revela também que 28,6 milhões de brasileiros realizaram algum tipo de teste de detecção da COVID-19 até novembro, sendo que 6,5 milhões de pessoas tiveram resultados positivos para a doença - 22,7% do total.

    Além disso, o IBGE mostra que cresceu o número de brasileiros que afirmam não adotar restrições contra a COVID-19. São 10,2 milhões de pessoas, mais que o dobro da taxa observada em maio, quando 4,1 milhões de brasileiros disseram não adotar restrições na pandemia.

    Os dados do IBGE mostram ainda que houve aumento, pela primeira vez, da população ocupada, chegando a 84,7 milhões em novembro. No início da pandemia eram 84,4 milhões. Além disso, a força de trabalho subiu 4,4% em relação a maio.

    O presidente Jair Bolsonaro durante o evento Brasil vencendo a COVID-19 no Palácio do Planalto, em 24 de agosto de 2020.
    © AP Photo / Eraldo Peres
    O presidente Jair Bolsonaro durante o evento "Brasil vencendo a COVID-19" no Palácio do Planalto, em 24 de agosto de 2020.

    Segundo dados desta quarta-feira (23) do Ministério da Economia, durante novembro o país teve um acréscimo de 414.556 empregos de carteira assinada, o melhor resultado para o mês desde 1992, quando teve início a série histórica. A estatística é resultado da diferença entre contratações e demissões no país, sendo que foram 1.532.189 contratações no mês, contra 1.117.633 demissões. Novembro foi o quinto mês consecutivo de alta nos empregos formais. Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A metodologia do Caged é diferente da utilizada pelo IBGE.

    Os números da Pnad COVID-19, por sua vez, são obtidos através de metodologia que difere da tradicional Pnad Contínua, por isso os dados não podem ser comparados. No caso, as duas pesquisas são realizadas pelo IBGE.

    Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil acumula 7.318.821 casos de COVID-19 e 188.259 mortes causadas pela doença. Em números absolutos de óbitos na pandemia, o Brasil só está atrás dos Estados Unidos, que têm 322.851 mortos por COVID-19.

    Tema:
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)

    Mais:

    Desemprego aumenta em 11 estados no 2º trimestre, mostra IBGE
    Desemprego sobe 27,6% em quatro meses e atinge 12,9 milhões de brasileiros
    Desemprego no Brasil chega a 14,4% e atinge recorde de série histórica
    Tags:
    Brasil, PNAD, IBGE, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar