19:43 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)
    0 50
    Nos siga no

    Nas últimas 24 horas morreram 549 pessoas e total é de 187.322 falecimentos. Mais da metade das unidades da federação teve aumento na média de óbitos.

    A média móvel de mortes no Brasil pela COVID-19 nos últimos sete dias foi igual à registrada há três meses, informou o site G1.

    As secretarias estaduais de saúde divulgaram nesta segunda-feira (21) que nas últimas 24 horas o país - o segundo com mais óbitos no mundo - registrou 549 mortes, chegando ao total de 187.322 vítimas fatais desde o começo da pandemia. No domingo (20), foram 408 falecimentos.

    Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos sete dias foi de 769, valor que se iguala à média registrada em 18 de setembro.

    A variação foi de 25% a mais em comparação à média de 14 dias atrás, uma indicação de tendência de alta nos óbitos pela doença.

    Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 7.264.221 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 26.871 desses confirmados no último dia.

    A média móvel nos últimos sete dias foi de 47.830 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de 17% a mais em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de alta nos diagnósticos.

    Situação nos estados

    Das 27 unidades da federação - 26 estados e o Distrito Federal -, 14 apresentaram alta na média móvel de mortes: Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Acre, Pará, Rondônia, Alagoas, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe.

    Em estabilidade, ou seja, quando o número de mortes não caiu nem subiu significativamente, estão o DF e dez estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Amazonas, Amapá, Roraima, Bahia, Maranhão, Pernambucano, Piauí e em São Paulo, o que tem mais vítimas no país.

    Em queda, apenas Goiás e Tocantins.

    Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

    Tema:
    Brasil luta contra COVID-19 no final de dezembro (60)

    Mais:

    Comissão Europeia aprova vacina da Pfizer e BioNTech contra COVID-19
    Biden recebe vacina contra COVID-19 nos EUA e diz que 'não há nada a temer'
    Vacinação contra COVID-19 no Brasil deve ser coordenada pelo Ministério da Saúde, diz sanitarista
    Tags:
    novo coronavírus, São Paulo, pandemia, Distrito Federal, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar