13:17 24 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    175
    Nos siga no

    "Não estamos apagando o passado. Passado não se apaga", disse o acionista majoritário do grupo, Maurício Odebrecht, ao anunciar o novo nome da empresa.

    Empresa mais citada na Operação Lava Jato, a Odebrecht anunciou nesta sexta-feira (18) que está mudando de nome e passa a se chamar Novonor. A mudança é uma tentativa de virar a página da história de escândalos de corrupção atrelada à empresa.

    A mudança de nome foi anunciada pelo acionista majoritário do grupo, Maurício Odebrecht, durante reunião on-line para todos os funcionários da empresa. Maurício é irmão de Marcelo Odebrecht, que permaneceu preso por dois anos e cinco meses em Curitiba, após ser condenado a mais de 30 anos por corrupção. 

    "Não estamos apagando o passado. Passado não se apaga. Passado é exatamente o que ele é - passado. Depois de tudo o que promovemos de mudanças e de correção de rumos, estamos agora olhando para o que queremos ser: uma empresa inspirada no futuro. Este é o nosso novo norte", disse Maurício Odebrecht, em comunicado.

    Ainda segundo o comunicado, a Novonor nasce como uma holding de um grupo empresarial com 25 mil empregados e seis empresas. O grupo atua nas áreas de engenharia e construção, mobilidade urbana e rodovias, petróleo e gás, mercado imobiliário, petroquímica e indústria naval.

    Há seis anos, quando a Lava Jato foi deflagrada, a Odebrecht contava com 180 mil funcionários.

    Manifestação em Brasília em defesa da Operação Lava Jato
    Manifestação em Brasília em defesa da Operação Lava Jato

    A Odebrecht na Lava Jato

    A Operação Lava Jato revelou uma vasta rede de subornos pagos por grandes construtoras – incluindo a Odebrecht – a políticos, em troca do favorecimento de contratos com a Petrobrás.

    A Odebrecht tornou-se, então, a empresa mais citada na Lava Jato. Durante as investigações foram interrogados 78 executivos da empresa, entre os quais os ex-presidentes Marcelo e Emílio Odebrecht, condenados a vários anos de prisão por crimes de corrupção.

    A investigação envolvendo escândalos da empresa chegou, inclusive, ao ex-presidente Lula.

    Em outubro de 2019, a Caixa Econômica Federal entrou com pedido de falência do grupo Odebrecht.

    Mais:

    Odebrecht anuncia fim do monitoramento do Departamento de Justiça dos EUA
    Sai estrada, entra porto: Lula pediu obra em Cuba, diz Marcelo Odebrecht a jornal
    PF indicia Lula e mais 3 por doações feitas pela Odebrecht a instituto
    TRF-1 arquiva ação penal contra ex-presidente Lula no caso de obras da Odebrecht em Angola
    Tags:
    Brasil, Lava Jato, corrupção, Odebrecht
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar